Os alunos de teatro do programa Abrindo Caminhos participaram neste sábado (31), de uma Oficina de Bonecas Abayomi, feitas com retalhos de panos e que não necessitam de costura.  Segundo a professora Kaline Barroso, o processo é um estudo para a apresentação sobre cultura africana, que marcará a conclusão do curso.

O presidente da Assembleia Legislativa, Jalser Renier (SD), aproveitou a aula diferenciada para fazer uma visita aos alunos do programa e apontou a importância da valorização das culturas. “Teremos novidades para o Abrindo Caminhos. Acreditamos na força do projeto e eu tenho certeza que vamos ampliar essa Escola para melhorar a qualidade e intensificar as ações, pois essa sociedade precisa e merece”, disse.

Na época da escravidão, as mulheres arrancavam as barras de suas saias e faziam as bonecas para seus filhos brincarem. Por não ter material disponível, a junção de cada parte da boneca era feita apenas com um nó.

A história por trás da confecção do brinquedo chamou a atenção da estudante Karla Fernandes, de 16 anos. “Elas faziam do tamanho da palma da mão, para que eles tivessem como esconder. Era uma forma estarem mais próximas dos seus filhos”, contou ela.

Além do contexto histórico, a professora explicou que as abayomis também farão parte da apresentação como uma forma de levar essa trajetória até a plateia. “As bonecas serão dadas ao público durante o espetáculo”, disse a professora.

Abayomi significa “encontro precioso”, remetendo à relação de afeto entre mãe e filho. Karla ressalta que as aulas são mais do que apenas aprender sobre as técnicas de teatro. “Apesar de ser apenas uma boneca a história de vida por traz do povo africano a gente vai levar pra vida. A gente não aprende só atuar.”

Texto: Bárbara Araújo

Foto: Eduardo Andrade

SupCom ALE-RR