A execução do projeto ‘Educar é Prevenir’, do Núcleo de Promoção, Prevenção e Atendimento às Vítimas de Tráfico de Pessoas, da Assembleia Legislativa de Roraima, ampliou a visão da estudante Juliana Freitas, de 12 anos, sobre os cuidados com amizades e conversas com pessoas estranhas na rua.

Ela integra o quadro de estudantes da Escola Estadual Carlo Casadio, localizada no bairro Centenário, zona Oeste de Boa Vista, que recebeu esta semana a edição do projeto ‘Educar é Prevenir’, e atendeu cerca de 700 alunos da instituição, além de funcionários de apoio e gestão escolar.

“Aprendi a ter cuidado com quem a gente convive e conversa, e eu acho que todo mundo vai levar isso como um aprendizado para vida toda”, resumiu Juliana, ao citar que esse tipo de assunto, tráfico humano, já é conversado tanto com a mãe quanto com o pai em casa e na escola, complementou.

Já Carla Alexandra Oliveira, de 11 anos, acrescentou que, além de se prevenir contra qualquer tipo de abordagem, fará o possível para que nada de errado aconteça com algum colega do bairro. Contou que durante a capacitação em sala de aula, os depoimentos mostrados em vídeo mexeram com o emocional.

“Gostei dos vídeos que o professor exibiu e eu chorei quando aquela menina [a personagem] disse aquilo [as situações vividas em cativeiro]. Isso me muito tocou”, revelou a estudante, emocionada.

A roda de conversa é a culminância de uma semana inteira de atividades promovidas pelo projeto nas escolas e tem a participação de representantes de entidades e órgãos públicos integrantes da Rede de Proteção e Enfrentamento ao Abuso e Exploração Sexual. Nesta sexta-feira, por exemplo, estiveram reunidos a Polícia Rodoviária Federal, bem como o Conselho Tutelar, o Grupo Reflexivo Reconstruir, entre outras instituições.

Para a coordenadora do ‘Educar é Prevenir’, Elizabete Brito, a roda de conversa é um meio de os estudantes e o grupo pedagógico tirar dúvidas e fazer questionamentos quanto a atuação de cada um na sociedade. “É importante falar que existe, de fato, o tráfico de pessoas no Estado. Não é história de novela e nem de filme, acontece o abuso e a exploração sexual e temos que falar para prevenir”, afirmou.

Com o encontro – reforçou, é possível conhecer a função de cada entidade e o papel e projetos desenvolvidos em prol da proteção e prevenção a crianças e adolescentes. “Quando a gente traz para dentro da escola, os alunos começam a conhecer o que é um aliciamento, o que é o trafico de pessoas, a exploração sexual e saber a quem denunciar e pedir ajuda e saber que eles terão com quem contar”, citou Elizabete.

O gestor da escola, Anderson Porto, enfatizou a relevância do projeto, pois a Carlo Casadio está inserida em meio a uma comunidade com problemas sociais. “O tráfico humano e a exploração sexual, principalmente feminina, é um desses problemas que a nossa comunidade enfrenta”, lamentou.

Ele reconheceu que muitos alunos não sabiam sobre o tema e parabenizou o Núcleo da Assembleia Legislativa em realizar esse trabalho voltado a prevenção de crianças e adolescentes. “Por mais que tenha sido um período curto, de terça até hoje, mas conseguimos atingir o objetivo que é conscientizar eles quanto a esse malefício da sociedade que é a exploração sexual, como também o tráfico do ser humano”, disse Porto.

Para colaborar com o ‘Educar é Prevenir’, a Polícia Rodoviária Federal, por meio da Comissão Regional de Direitos Humanos, desenvolve em todo País o projeto ‘Mapear’ com o intuito de localizar ao longo da extensão das rodovias, possíveis pontos vulneráveis a prostituição e aliciamento de menores.

“A PRF faz parte do Comitê de Enfrentamento a Exploração ao Tráfico de Crianças e Adolescentes. Então toda temática em relação ao enfrentamento a PRF participa, principalmente na sensibilização de crianças e adolescentes para identificar possíveis situações de exploração para que eles não sejam vítimas”, contou a policial Rodoviária Federal, Jardelina Macedo.

A próxima instituição de ensino a receber o projeto ‘Educar é Prevenir’ será a escola estadual Carlos Drummond de Andrade, localizada no bairro Pricumã, zona Sul de Boi Vista, em data a ser definida entre a coordenação e a gestão escolar.

Por Yasmin Guedes

SupCom/ALE-RR