Ferramenta foi apresentada pela presidente da Comissão de Direitos Humanos da ALE-RR, Catarina Guerra

Em reunião do grupo de trabalho sobre suicídio e automutilação promovido pela Unale (União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais), no Amazonas, a presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Roraima, deputada Catarina Guerra (SD), lançou a cartilha “Prevenir Futuros Casos de Suicídio”, distribuído a parlamentares e participantes inscritos.

O evento foi realizado nesta quinta-feira (13), na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam). A cartilha possui uma linguagem simples e direta. Na capa, para chamar a atenção dos jovens, foi colocada uma conversa com a seguinte mensagem: “Oi, vamos conversar?”.

Catarina Guerra foi um dos cinco expositores de trabalhos desenvolvidos sobre a temática. Conforme a deputada, o material será entregue a estudantes de escolas na Capital e Interior de Roraima. “A cartilha vai ajudar muito essa ação com os jovens em nosso Estado, nas escolas. É uma ação para prevenir e valorizar a vida.”

O deputado Éder Lourinho (PTC) participou deste grupo para aprender mais sobre as ações desenvolvidas por outros Estados. “Esse encontro é bom para buscarmos conhecimento com outros parlamentares, novas ideias, sabermos como evitar e combater esse grande índice de suicídio no estado de Roraima”, disse, ao enfatizar que além da capital, Caracaraí tem dados preocupantes, com 26 casos registrados no primeiro semestre deste ano.

Participaram deste encontro representantes da Associação Amazonense de Psiquiatria, Secretaria Estadual de Educação do Amazonas, Comissão da Rede Internacional de Excelência Jurídica do Distrito Federal, SAMU (Serviço Móvel de Urgência) do DF e Ministério da Mulher e Família, do Governo Federal.

A mediadora do grupo de trabalho, deputada Mayara Pinheiro (PP-AM) avaliou como positiva a discussão. “São assuntos que estão numa pauta de relevância no País. A OMS [Organização Mundial da Saúde] alertou que o Brasil é o oitavo em números de suicídio e automutilação tem crescido”.

 

Texto: Yasmin Guedes

Foto: Lucas Almeida

SupCom ALE-RR