O presidente da Assembleia Legislativa de Roraima, deputado Jalser Renier (SD), determinou a criação de uma Comissão Especial Externa para apurar as ocorrências de confronto na fronteira Brasil e Venezuela, onde uma manifestação terminou em conflito, no domingo (9), após o uso de balas de borracha e gás lacrimogênio pela Polícia Rodoviária Federal e Força Nacional.

O grupo será presidido pelo deputado Jânio Xingu (PSB), e terá como membros Tayla Peres (PRTB), Chico Mozart (Cidadania), Marcelo Cabral (MDB) e Angela Águida Portella (PP). Os parlamentares seguiram nesta segunda-feira (10) para Pacaraima, a 218 quilômetros de Boa Vista, para acompanhar de perto a situação.

Jalser Renier enfatizou que o desejo do Poder Legislativo é apurar se houve excessos de ambos os lados e evitar novos conflitos na região.  “Nós, do Poder Legislativo, temos feito o que está ao nosso alcance, principalmente tentando sensibilizar o Governo Federal diante de uma situação caótica que afeta o nosso Estado e, principalmente Pacaraima”, esclareceu.

A manifestação em Pacaraima iniciou após um caso de estupro contra uma adolescente indígena a caminho da escola na última sexta-feira, 7, do qual o acusado é um homem venezuelano, preso horas depois do crime. A população se reuniu pelas ruas de Pacaraima onde pediam mais segurança para a cidade. No domingo, para dispersar a multidão, a polícia usou balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo atingindo oito pessoas.

A Assembleia Legislativa possui a Comissão de Relações Fronteiriças, presidida pela deputada Yonny Pedroso (SD), que está em Brasília para a posse da Diretoria Executiva da União dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale). Devido ao recesso dos trabalhos legislativos, foi criada uma comissão especial para apuração imediata dos confrontos.

“Recebi a demanda do que vem ocorrendo em Pacaraima através do presidente Jalser Renier, mas como os trabalhos legislativos estão suspensos, foi criada esta comissão especial, para verificar essa situação in loco, para que se punam culpados e para unir forças e resolver de forma pacífica essa problemática que vem ocorrendo no município e em Roraima frente a toda essa crise migratória”, pontuou.

Texto: Yasmin Guedes

Foto: Arquivo SupCom ALE-RR/ Alex Paiva

SupCom ALE-RR