O presidente da Assembleia Legislativa de Roraima, deputado Jalser Renier (Solidariedade), preocupado com os últimos eventos envolvendo as Eleições da Guiana, determinou que a Comissão de Relações Fronteiriças da Casa acompanhe os desdobramentos frente aos impactos que possam ser causados ao Brasil, principalmente Roraima, que faz fronteira com o país. A comissão permanente é presidida pela deputada Yonny Pedroso (Solidariedade).

Segundo Jalser Renier, a Casa vinha estreitando relações com o país vizinho, na prospecção de benefícios para o Estado.

“Existia uma grande expectativa na população roraimense de crescimento da economia local diante da descoberta de reservas de petróleo e crescimento de 30% do PIB daquele país, e a notícia de suposto atentado ao processo democrático, nos causa apreensão”, afirmou.

Ele informou que a Assembleia Legislativas vai oficiar ao Ministério das Relações Exteriores (MRE), solicitando que o Governo Federal acompanhe os desdobramentos do fato, minimizando os possíveis impactos que possam afetar Roraima, sejam eles financeiros, migratórios ou diplomáticos.

Veículos de comunicação guianenses divulgaram durante todo o dia de hoje que o país vive um clima de tensão, com comércio e órgãos públicos fechados, manifestação popular e incitação à violência por parte de apoiadores do governo atual, depois que a Comissão Eleitoral da Guiana (GECOM) divulgou que o partido do atual presidente da Guiana, Brigadeiro David Granger (APNU),  está em desvantagem e deve ser derrotado pelo Partido Progressista dos Povos (PPP), do Dr. Irfaan Ali.

O Banco Mundial projetou crescimento de 30% do PIB da Guiana para 2020, e mais 24% para 2021. Há uma previsão da multinacional, Exxon Mobil, para extração de 100 mil barris de petróleo por dia, apenas para este ano.  O Orçamento daquele país vai passar de 3,6 bilhões de dólares ao ano para 9,6 bilhões anos.

Élissan Paula Rodrigues e Yana Lima

SupCom ALE-RR

Foto: SupCom ALE-RR