O ditado popular diz “Quem tem boca vai a Roma”, mas e quem sabe Francês? Vai a Paris! Essa língua é conhecida por ser chique e romântica, a fama vem da forma diferente de pronunciar as palavras e do cenário de arrancar suspiros da capital da França. Quem quer se destacar, pode apostar no francês para incrementar o currículo. Para dar oportunidade à população aprender um idioma diferente, a Escola do Legislativo – Unidade Silvio Botelho oferta o curso de Francês Debutant (Iniciante).

As inscrições estão abertas e podem ser feitas na unidade que fica na avenida Sólon Rodrigues Pessoas, 1313, bairro Silvio Botelho. Os interessados também podem se informar sobre o curso por meio do telefone (95) 98402-3402.

A língua francesa é a nona mais falada do mundo e a segunda mais estudada, conforme explicou a professora do curso, Alclezia Nóbrega. Apesar de ser comum que as pessoas tenham mais conhecimento do Espanhol e Inglês, ela ressalta que diversificar o vocabulário ajuda tanto no lado profissional quanto no acadêmico. “Quem pretender ter uma carreira acadêmica, tem que ter uma compreensão mínima da oralidade e da escrita, uma vez que os teóricos dentro da literatura têm referencias da língua francesa. Estudar o Francês, que não é uma língua muito oferecida, também é um diferencial na hora de conseguir um emprego”, disse a professora.

Além disso, para ela, dada a localidade de Roraima, é importante a busca por apreender diferentes idiomas. “A nossa lógica é sermos um ponto turístico, e que nós moradores tenhamos mais contato com o inglês e espanhol, mas, precisamos buscar essa quarta língua, que seria a língua francesa.”

Aulas

O curso é de 30 horas e inicia no próximo dia 24. As aulas serão focadas na prática, como apontou a professora, para que assim, os alunos consigam logo de início transmitir informações na língua. “A estratégia é aproximar a língua estrangeira, francesa, ao cotidiano. E, assim, permitir que eles tenham um vocabulário em francês, que os permita desenvolver um bom diálogo”, explicou Alclézia Nóbrega.

Uma apostila foi criada pela professora, com diálogos do cotidiano para ajudar no processo de ensino e aprendizado. Ela ressalta a oportunidade de estudar o idioma. “Somos uma tríplice fronteira onde é difícil, caro, sairmos para mergulhar em outra cultura, então, podemos nos qualificar aqui, e quando preciso receber os admiradores de nossa cultura, tendo a oportunidade de dialogar na língua de quem chega”.

Texto: Bárbara Araújo

Foto: Eduardo Andrade

SupCom ALE-RR