Assunto é abordado com o intuito de alertar jovens sobre a depressão e suas consequências

O mês de setembro é dedicado a ações de prevenção ao suicídio e depressão, por isso o Poder Legislativo, por meio de seus programas, tem se envolvido na causa. Nesta sexta-feira (13), o Centro Humanitário de Apoio as Mulheres (Chame) realizou um bate-papo com os alunos da Escola Estadual Tancredo Neves sobre o tema. A conversa foi conduzida pela psicóloga do órgão, Jane Meire Medeiros.

“Informamos tanto a pessoa que esteja passando por isso para que tenha força para procurar ajuda, quanto quem conhece pessoas nessa situação”, disse a psicóloga.

Durante a palestra, Jane Medeiros explicou questões relacionadas ao suicídio, como depressão, álcool e drogas. A ação também chama atenção dos presentes para os alertas que as pessoas dão antes de tirar a própria vida. Conforme ela, este é sim um dos sinais apresentados pelo suicida.

A psicóloga ainda ressaltou o cuidado quando se identifica em alguém próximo essa tendência a cometer o ato. “No primeiro momento é ouvir, isso é muito importante. E no segundo momento orientar para que ela possa procurar ajuda.”

Segundo a gestora da escola, Vilma Rufino, foram identificados casos de depressão e automutilação na escola. Em razão disso, um projeto tem sido desenvolvido para trabalhar esta questão com os estudantes. Para ela, a palestra veio esclarecer dúvidas da comunidade escolar e somar forças a esse trabalho já realizado. “Nós percebemos que temos um número muito grande de alunos que praticam automutilação. Então junto com a Secretaria de Educação iniciamos esse projeto.”

Para a estudante Letícia Menandes, de 17 anos, conversar sobre o tema é essencial para sensibilizar as pessoas sobre a gravidade do problema. “Suicídio não é brincadeira, não é pra chamar atenção. A gente tem que está atento ao alerta das pessoas”.

Para procurar ajuda, qualquer pessoa pode entrar em contato com o Centro de Valorização da Vida (CVV), responsável por realizar acolhimentos emocionais, no número 188 ou pelo site www.cvv.org.br. As ligações são sigilosas, e o número funciona 24h por dia, sem nenhum custo.

Texto: Bárbara Araújo

Foto: Eduardo Andrade