“Eu sou Enfermagem, com muito orgulho, com muito amor”. Foi com este grito de guerra que cerca de 400 de profissionais da Enfermagem lotaram o plenário da Assembleia Legislativa de Roraima. A Casa abriu as portas para uma audiência pública com a categoria, que se uniu em busca de melhores condições de trabalho. Durante o evento, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Jalser Renier (SD), afirmou que serão alocados recursos para as progressões e retroativos da categoria na Lei Orçamentária Anual 2020, cujo projeto já está em discussão na Casa.

Antes da audiência, Jalser Renier solicitou um detalhamento das reivindicações da categoria, das quais os principais pontos são o pagamento de progressões, reajuste anual e revisão do PCCR (Planos de Cargos, Carreiras e Remuneração) da categoria. Ele explicou que em relação aos outros dois pontos, a Assembleia Legislativa não pode tomar a iniciativa, mas o que está ao alcance do Poder Legislativo será providenciado. “Vamos acompanhar essa questão no Orçamento. Junto comigo estão 14 deputados que vão assumir a responsabilidade de dar dignidade aos profissionais da enfermagem e da radiologia”, disse.

Sobre a reivindicação da categoria ligada à atualização da PCCR (Planos de Cargos, Carreiras e Remuneração) e revisão anual, o presidente da Casa explicou que estas demandas são de competência do Executivo. Jalser Renier disse ainda que o Legislativo tem interesse em resolver o problema da categoria, mas que precisa da parceira do Executivo. “Tem que vir uma lei do governador reconhecendo que o servidor está em primeiro lugar. Enquanto ele não mandar a lei, a Assembleia Legislativa não pode fazer nada”, ponderou.

Para ajudar o Governo a ter condições de investir nos servidores, Jalser Renier lembrou que todos os Poderes terão seus orçamentos congelados novamente, ou seja, não haverá aumento no duodécimo a ser repassado pelo governo do Estado às instituições.

O presidente do Sindicato dos Profissionais em Enfermagem de Roraima (Sindiprer), Melquisek Menezes, relembrou a paralisação de advertência, por 24 horas, realizada pelo grupo no último dia 23 e ressaltou que a luta é por direitos e não privilégios.  “Essa categoria é a que mais trabalha e é a menos valorizada no Estado de Roraima. Viemos pedir que a classe seja respeitada, valorizada, pois trabalha 24 horas por dia. É a única que é a primeira a receber e a última que se despede do paciente”.

Deputados

O deputado Nilton Sindpol (Patri) e a deputada Betânia Medeiros (PV) reforçaram a falta de assistência à saúde e os profissionais da área. “Essa senhora [secretária de Saúde, Cecília Lorenzom] foi convocada diversas vezes e nunca compareceu. É um desrespeito à sociedade e a esse Poder. Pensávamos nós que não viveríamos dias piores, mas estamos vivendo”, disse Betânia Medeiros.

Texto: Yana Lima e Bárbara Araújo
Foto: Jader Souza

SupCom ALE-RR