Na audiência pública realizada no plenário Deputada Noêmia Bastos Amazonas nesta sexta-feira (25), técnicos, tecnólogos e auxiliares em Radiologia questionaram a redução de 40% para 20% no pagamento de insalubridade para a categoria. Desde 2015, os profissionais recebem o valor da base nacional, mas há três meses sentiram a diferença com o corte pelo Governo do Estado.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Tecnólogos, Técnicos e Auxiliares em Radiologia do Estado de Roraima (Sintearr), Douglas Borges, o projeto de lei complementar do Governo do Estado, encaminhado à Assembleia Legislativa de Roraima no início deste mês, não condiz com o acordo feito entre a categoria e o Executivo. “Veio com graus mínimos, médios e máximos, coisas que não existem para quem trabalha na área. O projeto está na Casa, pedimos apoio do deputado Jalser Renier que prontamente atendeu e vai colocar em pauta”.

Para garantir a continuidade do pagamento dos 40% de insalubridade, o deputado Nilton Sindpol (Patri) apresentou uma emenda modificativa ao projeto de lei complementar que deverá entrar em votação na sessão plenária de terça-feira (29). “Quero reforçar o meu apoio a Radiologia e garantir a votação na próxima sessão”, anunciou o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Jalser Renier (SD).

No pedido de apoio à votação da emenda modificativa encaminhada pelo sindicato, a categoria ressalta que além da redução do pagamento de insalubridade, os profissionais enfrentam diversas dificuldades na rotina de trabalho, como a falta de equipamentos de proteção individual, aumento na demanda, entre outros fatores.

No Estado, conforme Douglas Borges, atuam 140 profissionais em Radiologia. Para ele, o Governo não pode apresentar uma lei que regrida os direitos dos servidores. “Esperamos a votação imediata porque o servidor está sendo penalizado. O servidor está com sua renda comprometida”, ressaltou o sindicalista.

 

Texto: Yasmin Guedes

Foto: Eduardo Andrade e Jader Souza

SupCom ALE-RR