As câmeras, disse George Melo, seriam justamente para inibir e suprir a necessidade de locais sem policiamento ostensivo na maior parte do dia.

O deputado George Melo (PSDC) usou a tribuna para falar sobre a questão da Segurança Pública no Estado de Roraima. Destacou que o Governo recebeu recursos federais para instalar 80 câmeras em pontos estratégicos, mas que o projeto idealizado foi em vão, já que os aparelhos de monitoramento não estão funcionando.

“Criou-se o centro de monitoramento, mas menos de 1% dessas câmeras estão funcionando, inclusive as pessoas que se envolveram em acidentes nestes locais e foram em busca dessas imagens, não conseguiram porque simplesmente as câmeras não funcionam”, disse.

Diante desta situação, o parlamentar questiona de que forma o Estado está aplicando os recursos, sejam os que vêm através de convênios e de repasses como FPE (Fundo de Participação dos Estados) e dos que são obtidos por meio de receitas próprias.

“Se as câmeras, que não estão funcionando, foram adquiridas com recursos federais, então o que o Estado está fazendo com os R$ 3,5 bilhões do orçamento, porque o mínimo que é dá segurança para as pessoas no nosso Estado o governo não está conseguindo, que dirá arrumar estradas, pontes e não deixar faltar remédios nos hospitais”, ressaltou, ao chamar atenção para o aumento da arrecadação própria já registrada nos três primeiros meses deste ano.

As câmeras, disse George Melo, seriam justamente para inibir e suprir a necessidade de locais sem policiamento ostensivo na maior parte do dia. “Governadora, a senhora, sua família e seus amigos moram aqui. O que está faltando para cuidar mais do Estado? As pessoas em Roraima estão com medo de sair nas ruas à noite. Então, governadora, coloque essas câmeras para funcionar, porque qualquer técnico que for contratado neste Estado conseguirá organizar esse sistema de câmeras”, sugeriu.

Para comprovar o que disse, Melo ressaltou que 40% das casas em Boa Vista têm câmera, e que se esse mercado cresce é porque esses aparelhos de monitoramento são instalados por empresas especializadas, que sabem além de instalar, operar e dar a manutenção, caso haja necessidade.

“Não acredito que o Governo não encontre ninguém no Estado para fazer a manutenção dessas câmeras. Essa questão do monitoramento em nosso Estado tinha que ser ampliada, e já éramos para ter 150 câmeras e as pessoas terem segurança para se deslocar, com a certeza de que se alguma coisa viesse a acontecer, as câmeras ajudariam a identificar os malfeitores”, afirmou.

Por Marilena Freitas
SupCom/ALE-RR