Segundo o líder do governo, a matéria poderia ter sido melhor estudada, antes da decisão final

Na sessão desta quarta-feira, 19, o líder do governo da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR), Brito Bezerra, (PP), usou a tribuna para questionar e solicitar apoio dos demais deputados, para que os efeitos da Lei 1.157/2016, que regulamenta a cobrança de taxas cartorárias praticadas pelos Cartórios no Estado, sejam anulados, uma vez que ele considera os custos atuais exorbitantes.

O projeto que originou a lei é de autoria do Tribunal de Justiça de Roraima (TJ-RR), e foi aprovado no final do ano passado pela Assembleia e, segundo o líder do governo, a matéria poderia ter sido melhor estudada, antes da decisão final que resultou na aprovação, uma vez que a atual redação está gerando demandas negativas, tanto da sociedade, quanto dos empresários que dependem dos serviços oferecidos pelos cartórios.

“No final do ano, estávamos discutindo a Lei Orçamentária Anual (LOA), e alguns pontos do projeto sobre as custas cartorárias, não foram devidamente debatidos e a lei atual não atende as expectativas da sociedade. Hoje propus que aprovássemos um Projeto de Decreto Legislativo, sustando os efeitos desta lei, até que seja enviado outro pelo Tribunal de Justiça e que atenda as expectativas. É inadmissível que, com o problema econômico financeiro que enfrentamos, aprovarmos uma lei que aumentou em até 200%  as custas cartorárias no Estado, é preciso remediar”, reforçou o deputado.

O presidente da Assembleia, Jalser Renier (SD), anunciou durante o pronunciamento de Brito Bezerra, uma reunião com a presidente do Tribunal de Justiça de Roraima, Elaine Bianchi, para buscar alternativas e remediar a situação, pois ele considera que a melhor saída é o diálogo.

O presidente convidou todos os deputados que compõem a Comissão Permanente de Constituição, Justiça e Redação Final, além de representantes dos cartórios locais e sindicato do setor imobiliário. “Será uma audiência objetiva, cuja intenção será rever a decisão, proferida por aquele Tribunal, na busca de soluções para este problema”, garantiu o presidente da Casa.

A reunião está agendada para esta quinta-feira, 20, às 15h na sede do TJ, localizada na  Praça do Centro Cívico, Centro.

Por Tarsira Rodrigues

SupCom/ALE-RR