“Vamos discutir a realidade atual do Campo e trabalhar alternativas que possam ser encaminhadas com a máxima urgência”, disse o deputado Evangelista Siqueira.

Com foco na possibilidade de oferecer mais estrutura e qualidade para professores e alunos que dependem da Educação no Campo no Estado, a Assembleia Legislativa de Roraima vai realizar nesta sexta-feira, 23, às 9h, uma audiência pública sobre o tema.

O requerimento que solicitou os debates é de autoria do deputado Evangelista Siqueira (PT). Ele explicou que irá trazer para a mesa de discussões, principalmente “as dificuldades da população que vive no Campo, como vicinais não asfaltadas e fatores climáticos de cada região”.

O parlamentar informou que conversou com diversos professores e alunos, e que também visitou inúmeras comunidades no interior de Roraima. O resultado, segundo Siqueira, que também é da área de Educação, foi que as localidades precisam de mais atenção por parte das autoridades. “Nesta audiência pública vamos discutir a realidade atual do Campo e trabalhar alternativas que possam ser encaminhadas com a máxima urgência para que as pendências e dificuldades enfrentadas, tanto pelo professor, quanto pelo aluno que vive nestas regiões, sejam solucionadas ou pelo menos minimizadas”, detalhou.

O deputado reforçou o posicionamento de que a Educação no Campo precisa de mais qualidade e, para isso acontecer, será necessário também melhorar a trafegabilidade no interior do Estado.

No documento que solicita a audiência pública, o deputado deixou claro que os debates serão em torno da valorização do professor da Educação do Campo, tanto os formados pelo Curso de Licenciatura em Educação da Universidade Federal de Roraima (UFRR), como também os formados pela Universidade Estadual de Roraima (UERR) por meio do Curso de Pedagogia, que tem ênfase na Pedagogia “Regular”, Indígena e a do Campo.

DADOS – Segundo dados do IBGE colhidos em 2010, a população rural brasileira na região Norte, equivale a 4,2 milhões, sendo 106, 4 mil habitantes rurais só em Roraima, o que corresponde a 23,59 % da população de um total de 451.227. “Há muito se sabe das dificuldades de infraestrutura no Campo, um fator que precariza o acesso dessa população à educação de qualidade e consequentemente a continuidade do processo de escolarização formal”, detalha o texto que justifica a audiência pública.

 

Por Tarsira Rodrigues

SupCom/ALE-RR