O deputado considera a imigração natural, mas ressalta que não adianta falar da invasão venezuelana e não agir.

Diante da imigração em massa de venezuelanos para o Estado de Roraima, o deputado Jânio Xingu (PSL) sugeriu à Assembleia Legislativa do Estado (ALE/RR) que seja criada uma comissão especial para debater a situação junto ao Ministério das Relações Exteriores. O pedido foi feito durante pronunciamento na sessão desta terça-feira (23).

“Essa comissão especial é para interagir junto ao Itamaraty e com os deputados federais, e ir até Caracas explicar ao governo da Venezuela que há uma invasão de venezuelanos aqui em Boa Vista, e que a estrutura da nossa cidade não suporta. Não é para expulsar os venezuelanos que não têm culpa, pois isso é fruto de um governo irresponsável”, disse.

Ele considera a imigração natural, mas ressalta que não adianta falar da invasão venezuelana e não agir. O deputado Izaias Maia (PTdoB) reforçou o discurso de Xingu. Segundo ele, é um dever ajudar os venezuelanos, pois se trata de uma questão humanitária, mas pede que as autoridades busquem uma solução para não deixar os imigrantes “jogados em qualquer ponto da cidade”.

Já o deputado Dhiego Coelho (PTC) disse que é preciso avaliar melhor a criação de uma comissão especial, pois pode ser uma sugestão que não traga resultado positivo. Ele citou que na época em que uma comissão da Assembleia Legislativa foi até o Estado de Bolívar, na Venezuela, por ocasião do massacre na zona mineira, para saber se haviam brasileiros entre os mortos, foi surpreendido pelo posicionamento do governo bolivariano.

“Quando indagamos do governador se poderia existir brasileiros entre os mortos, ele nos respondeu perguntando quais dos 65 mil brasileiros que moram o Estado de Bolívar estavam preocupados? Aquilo me assustou. A gente até critica os venezuelanos, mas desde 1983 que existem mais de 65 mil brasileiros explorando minério do país vizinho. Quem está causando o maior problema social? Será que são os venezuelanos que há seis meses estão entrando em Roraima ou são os brasileiros que estão vivendo há mais de 30 anos na Venezuela explorando a zona mineira”, questionou o parlamentar.

O líder do blocão, George Melo (PSDC), destacou a ausência de disciplina do povo venezuelano. “O que falta é ordem. É como na casa da gente, se deixar desorganizada em pouco tempo começam as brigas. A velha cultura, chamada de arcaica, era a que funcionava. Os venezuelanos são bem-vindos, mas têm que entender que aqui existem regras. Eles precisam de apoio, mas aqui tem regras”, reforçou Melo.

UTILIDADE PÚBLICA – Ainda, durante o pronunciamento, Xingu pediu o apoio dos parlamentares para aprovação do projeto de autoria dele, já em tramitação na Casa, que reconhece a Fundação Ajuri como de utilidade pública.

“A Fundação Ajuri, da Universidade Federal de Roraima (UFRR), tem feito um brilhante trabalho na área científica, educacional, tecnológica. Merece o título de utilidade pública concedido por esse Poder para que possa receber recursos públicos para investir na educação, pesquisa e nos jovens que buscam a condição intelectual para melhorar a qualidade de vida do Estado de Roraima”, afirmou.

Por Marilena Freitas

SupCom/ALE-RR