Foram seis dias de divulgação e de exposição fotográfica intitulada ‘Nunca me calarei’.

Neste sábado (26), a Procuradoria Especial da Mulher, por meio do Centro Humanitário de Apoio à Mulher (Chame), da Assembleia Legislativa de Roraima (ALERR), participará da culminância do projeto ‘Quebrando o Silêncio’, da igreja Adventista do Sétimo Dia, no Parque Germano Augusto Sampaio, no bairro Silvio Botelho, a partir das 16h.

Foram seis dias de divulgação e de exposição fotográfica intitulada ‘Nunca me calarei’ nos dois shoppings da cidade encerrada nesta sexta-feira (25), no Pátio Roraima Shopping, zona norte da Capital. Aproximadamente mil pessoas conheceram o projeto só nos últimos dois dias de exposição.

O enfermeiro Kenysson Rodrigues, acompanhado da família, foi um dos que recebeu a revista sobre o projeto e as informações sobre os tipos de violência mais cometidos contra as mulheres. Por trabalhar na Saúde, disse que muitas vezes se depara com casos de violência doméstica, cometidos, muitas vezes, por pessoas do próprio seio familiar.

“Hoje a violência sexual transpassa várias barreiras e muitas pessoas passam pelo problema, tem inibição de falar e os problemas se agravam”, comentou sobre o projeto. Aproveitou para orientar as vítimas para que não se calem diante dos crimes sentido. “Não se calem, procurem auxilio e essa campanha é de suma importância porque mostra que não só aqui, mas em vários locais tem acontecido esse tipo de situação e é importante as pessoas ficarem esclarecidas e saberem onde procurar ajuda”, frisou.

O diretor de grupo da igreja Adventista do Sétimo Dia, Fábio Duarte, avaliou como positiva a procura da população por mais esclarecimentos. “Uma vez escutei uma frase que me chamou muita atenção, que a igreja tem um papel muito mais importante que o Estado, o que o estado não faz”, destacou.

O Chame, em parceria com a instituição religiosa, lançou o projeto ‘Olhos de Maria’ cujo foco são mulheres evangélicas e tem como meta alertar este público específico sobre os casos de violência doméstica. “Uma oportunidade de mostrar aos líderes religiosos a importância de se falar, dentro da igreja, sobre a Lei Maria da Penha. E o Chame está de portas abertas para todas as parcerias”, completou a procuradora Especial da Mulher, deputada Lenir Rodrigues (PPS).

Por Yasmin Guedes

SupCom/ALE-RR