A Procuradoria Especial da Mulher, da Assembleia Legislativa do Estado de Roraima (ALERR), participa do IV Encontro de Políticas Públicas para a Pan-Amazônia e Caribe (EPPPAC), na noite desta quinta-feira, 14, a partir das 18h, no Centro Universitário Estácio da Amazônia. O tema desta quarta edição do evento é ‘Políticas Públicas, Processos Migratórios e Direitos Humanos a partir da Pan Amazônia e Caribe’.

O evento tem como finalidade discutir as questões que envolvem a região Pan-Amazônica, principalmente os problemas que ocorrem em âmbito fronteiriço. A discussão aliada a um conhecimento mais acurado do território que envolve a Amazônia Legal permitirá sugerir, posteriormente, políticas públicas que poderá contribuir para o desenvolvimento econômico e social da região.

“Nós, da Procuradoria Especial da Mulher, vamos apresentar as políticas que aplicamos em prol das mulheres aqui neste pedacinho da Amazônia Legal. Vamos apresentar os três núcleos de trabalho que existem dentro da Procuradoria, e mostrar também como funciona o Observatório Estadual contra a violência à mulher”, disse a deputada Lenir Rodrigues (PPS), que é procuradora Especial da Mulher.

Para a parlamentar, Será uma oportunidade de mostrar para outras instituições e demais unidades da Federação o trabalho que vem sendo desenvolvido no Estado, por meio Poder Legislativo, no combate à violência contra a mulher. “Esse encontro envolve toda a comunidade acadêmica do Estado e de outras regiões, portanto é um grande evento para mostrar os trabalhos realizados no Chame (Centro Humanitário de Apoio à Mulheres), no Re-construir, que é o grupo reflexivo, no Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e no Observatório Estadual”, complementou Lenir.

O trabalho desenvolvido pela Procuradoria no combate à violência contra a mulher começa no âmbito da prevenção com palestras nas escolas, nas empresas, nas comunidades, inclusive nas malocas indígenas. Após o fato consumado, o atendimento se torna especializado e a mulher passa a receber um suporte de ajuda psicológica, social e jurídica.

Por entender que os agressores também precisam de ajuda, o Chame está desenvolvendo o projeto “Grupo Reflexivo Re-construir”, recém premiado pelo TJRR (Tribunal de Justiça de Roraima). Os agressores recebem atendimento especializado como forma de reduzir os casos de violência doméstica familiar por meio da mudança do comportamento.

 

Marilena Freitas