O deputado George Melo (PSDC), ao usar a tribuna na sessão ordinária desta terça-feira, 14, da Assembleia Legislativa do Estado de Roraima (ALERR), disse que tudo no universo está associado e que a falta de infraestrutura básica para o homem do campo é um problema de toda a população do Estado de Roraima. Explicou que quando os produtos da agricultura familiar encarecem e passam a ‘doer’ no bolso do consumidor final é porque o produtor, com certeza, por conta das dificuldades que enfrenta proveniente da infraestrutura, precisou gastar mais na produção desses alimentos.

“A falta de estradas e pontes no interior do Estado estão causando grandes prejuízos aos nossos produtores que transportam animais e produtos agrícolas. Muita gente pode dizer que não produz nada, que não mora no interior e que, portanto, não tem nada a ver com isso. Mas saiba que você também é prejudicado porque esses produtos chegam à cidade mais caros. Você pode até reclamar para o feirante dizendo não entender porque um Estado rico como esse, vende um produto tão caro. A explicação está aí, porque esse produtor rural não teve ponte e estrada para escoar o produto, e trouxe para a cidade com muita dificuldade”, explicou.

Apesar da Era ser tecnológica, Melo acredita que o Governo não está usando os aparatos tecnológicos a favor da administração pública e do bem-estar da coletividade. “O que estamos vendo é o descaso do governo com esse segmento tão importante para nossa produção. Os produtores estão sendo prejudicados de todas as maneiras porque a falta de pontes e vicinais não permitem que transacionem as mercadorias por um preço competitivo em outros mercados”, afirmou, ao pedir que os representantes do Governo Estado na Casa chamem a atenção da governadora Suely Campos (PP) para esse problema.

O deputado Brito Bezerra (PP, líder do governo na Casa, afirmou que, de fato, nada é mais frustrante que produzir e não poder escoar e que as pontes e estradas são questões urgentes. Mas ressaltou que essa situação da infraestrutura se arrasta há anos, e que não pode ser jogada a culpa somente no governo atual.

“Quando a governadora assumiu o governo havia 300 pontes no chão, algumas de forma criminosa porque atearam fogo. Mas a governadora já reconstruiu mais de 200 pontes, além de melhorar as estradas e trabalhar na regularização fundiária”, rebateu, ao defender o governo e anunciar que, em breve, serão entregues 20 mil autorizações de ocupações da terra aos produtores, um título precário que antecede o título definitivo, mas que permite tirar financiamento junto a rede oficial de bancos.

Melo ainda contestou dizendo que não adianta anunciar a entrega dos títulos, porque sem condições de produzirem, os agricultores não terão como ganhar dinheiro para “pagar R$ 18 mil no título definitivo” que está sendo cobrado pelo Governo do Estado.

Marilena Freitas