“Esta menina, tão pequenina, quer ser bailarina”. A frase do poema A Bailarinade Cecília Meireles, resume o sonho de Jamile de Melo, de 12 anos. O objetivo dela é, desde pequena, se tornar bailarina profissional. Ela faz aulas de balé do programa Abrindo Caminhos, da Assembleia Legislativa, há quatro anos.

Neste período de pandemia do novo coronavírus (Covid-19), Jamile, acompanhada da mãe, a diarista Jonice Melo, não deixou de ensaiar os passos ministrados pelo professor Well Souza nas aulas virtuais. E para tornar este momento mais especial, um amigo da família presenteou a menina com uma barra, instrumento similar ao utilizado na sala de aula.

Devido a pandemia, Jonice ficou sem trabalho, pois com isolamento social caiu a procura pelo serviço de diarista. “Eu prometi a ela essa barra”, conta. “Encomendei de um amigo que trabalha com inox e ele deu a barra para ela e não quis me cobrar”, disse a mulher, agradecida.

Jamile e Jonice moram na zona Oeste de Boa Vista. Pelo menos três vezes por semana a garota dedica algumas horas do dia para colocar os passos em prática. “No dia de aula ela acorda bem cedinho”, conta a mãe.

Colantt, sapatilha, barra e muita disciplina. Jamile almeja ganhar o mundo. “O meu objetivo é virar bailarina profissional, conhecer os Estados Unidos e as escolas de lá. Quem sabe dá certo. Tenho me esforçado bastante”, diz a pequena bailarina.

Jonice está orgulhosa do desenvolvimento da filha. “Ela se esforça muito, é um sonho desde pequenininha e quando surgiu o programa [Abrindo Caminhos] eu corri para garantir a vaga dela porque ela sempre me pedia para fazer balé”.  O que ela mais quer é o sucesso da filha. “Estarei com ela sempre que precisa e incentivando sempre mais”, diz a mãe toda orgulhosa.

A aluna sente falta dos amigos, do professor e do clima de ensinamentos e lições que só uma sala de aula proporciona. Solitária nos ensaios na sala de casa, ela não se entristece, pelo contrário, coloca a alegria em primeiro plano. “Pode até demorar, mas vai passar e logo estaremos juntos outra vez”, acredita.

Aulas remotas ajudam no desempenho de alunos

Com aulas de balé infanto-juvenil três vezes na semana, o professor Well Souza fala do desenvolvimento da Jamile. “A Jamile é muito dedicada, participativa”. As aulas ocorrem via plataforma Zoom Meeting e também com vídeo-aulas direcionadas aos grupos de WhatsApp dos pais de/e alunos. “Está sendo muito importante para as nossas crianças e estamos tendo um retorno concreto das nossas aulas. Trabalhar com dança é isso, inovar e buscar conhecimento”, completa o bailarino.

Desde o início do isolamento social para conter o Covid-19, o programa Abrindo Caminhos, da Assembleia Legislativa de Roraima buscou alternativas para não deixar as crianças e adolescentes, de 5 a 17, sem atividades. Conforme a diretora do programa, Viviane Lima, desta maneira virtual os alunos estão próximos. “É muito importante trabalhar a saúde psicológica das crianças nesse momento de pandemia e até agora estamos com resultados positivos”, celebra.

Texto: Yasmin Guedes

Foto: Jader Souza

SupCom ALE-RR