A rotina da família de Henrique da Silva, de 17 anos, mudou com a chegada do pequeno Kléber Lucas, há nove anos. A falta de oxigenação no cérebro causou o comprometimento neuropsicomotor da criança, que tem dificuldades para andar e necessita de apoio da família para locomoção.

Neste período de pandemia e a possibilidade de cursos a distância, Henrique da Silva decidiu usar o tempo livre em casa para se capacitar e aprender mais sobre os cuidados com pessoas com deficiência, e qualificar o acompanhamento do sobrinho. Foi então que ele fez o primeiro módulo do curso de Educação Especial da Escola do Legislativo.

Além de Kléber Lucas, Henrique tem outro sobrinho com deficiência auditiva, o João Pedro, 3 anos. As duas crianças são motivos a mais para o adolescente continuar a estudar. “Aprender mais sobre os cuidados com eles, tanto emocionalmente, quanto fisicamente”.

Segundo o estudante, os primeiros sinais de aprendizado foram as formas de tratamento dentro de casa. “Aqui a gente sempre ensina que [ele] é uma pessoa normal, que ele pode fazer tudo que outras crianças fazem, que ele tem essa força, ele pode andar, falar, chegar onde quiser”, ressaltou o estudante. Henrique não pretende parar. O próximo passo será o curso de Libras (Língua Brasileira de Sinais). “Que é para me comunicar melhor e ensinar minha família”, explicou Henrique.

Quase 4 mil pessoas se qualificaram no curso de

Educação Especial da Escola do Legislativo

 

A Escola do Legislativo lançou a primeira turma do curso de Educação Especial em 2019. De maneira presencial, 560 pessoas participaram da capacitação. Com a chegada da pandemia e a readaptação do modelo de ensino, mais 3.417 pessoas fizeram os três módulos a distância pela plataforma online da Assembleia Legislativa de Roraima, gratuitamente e com material didático à disposição.

Segundo a professora Adriana Lopes, o público é formado principalmente por famílias. “Sempre estão em busca de ajudar”. Pela complexidade do tema, as aulas foram divididas em três módulos: no primeiro trata-se do contexto histórico das pessoas com deficiência; o segundo é direcionado a LBI (Lei Brasileira de Inclusão) e o conhecimento de materiais adaptáveis às condições das pessoas; no último módulo é o estudo aprofundado do Transtorno Global de Desenvolvimento.

Profissionais da educação compõem a outra parte do público interessado pelos cursos, de acordo com a diretora da Escola do Legislativo, Cristina Mello. “Sabemos que a inclusão social faz parte da nossa vida, do nosso cotidiano, da sociedade e a Escola do Legislativo vem para trazer essa capacitação cada vez melhor para preparar esses profissionais”, complementou.

Mais informações sobre os cursos da Escola do Legislativo pelo telefone 98402-3402.

 

Texto: Yasmin Guedes

Foto: Jader Souza

SupCom ALE-RR