Pular para o conteúdo

16 ANOS
Leis aprovadas na Assembleia Legislativa são essenciais para evolução da UERR

A Universidade Estadual de Roraima (UERR) completa nesta quarta-feira (10) 16 anos. Criada pela Lei Complementar 91/2005, a instituição mostra a cada dia que tem um papel preponderante na democratização do ensino superior que contribui muito para o desenvolvimento do Estado.

Ao recordar a trajetória do estabelecimento de ensino, o presidente da Assembleia Legislativa, Soldado Sampaio (PCdoB), ressalta que é um orgulho a Casa fazer parte da história da instituição.

“A criação da UERR em 2005 foi um marco na história da educação de Roraima, que ampliou o acesso do ensino à população em geral, inclusive àqueles que moram em outros municípios. A Assembleia também aprovou o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração [PCCR] dos servidores administrativos e o Programa Idade Ativa. Estamos sempre atentos para dar cada vez mais condições ao crescimento da instituição”, ressaltou Sampaio.

A Lei 705/2009, de autoria do deputado Jalser Renier (SD), criou o Programa Idade Ativa – Universidade Aberta à Terceira Idade, que permite que pessoas acima de 50 anos se inscrevam para cursos de extensão, estimulando o retorno aos estudos.

A UERR destina vagas específicas em cursos de graduação para alunos que passaram pelo Idade Ativa, o que já garantiu a volta de vários idosos à universidade por meio do vestibular.

A Lei nº 1.460, aprovada e sancionada em março deste ano, dispõe sobre o PCCR dos servidores públicos efetivos da área administrativa, níveis médio e superior, da Universidade Estadual de Roraima, e proporciona o desenvolvimento profissional do servidor no cargo, com base na igualdade de oportunidades, mérito funcional, qualificação profissional e esforço pessoal, além de instituir perspectivas de mobilidade dos servidores nos respectivos cargos, mediante progressões e motivação à prestação de serviços públicos de excelência, promovendo a valorização profissional e remuneratória condizente com os resultados alcançados.

Evolução da UERR 

  

Com sede em Boa Vista, no bairro Canarinho, a instituição ultrapassou fronteiras municipais e está presente em várias localidades. Além do campus da capital, há também os campi de Excelência Aplicada à Educação, Caracaraí, Rorainópolis e São João da Baliza. São 24 cursos de graduação,15 de pós-graduação, sendo 8 especializações, 4 mestrados e 3 doutorados.

A instituição de ensino superior tem aproximadamente 2.000 alunos cursando graduação, segunda licenciatura e pós-graduação. A comunidade docente conta com 186 professores e 128 servidores técnicos administrativos. Há ainda 48 projetos de pesquisa cadastrados e 487 bolsas que atendem alunos e professores.

Os cursos da UERR são Administração, Agronomia, Ciências Biológicas, Ciências Contábeis, Ciências da Computação, Ciências da Natureza e Matemática, Direito, Engenharia Florestal, Enfermagem, Educação Física, Física, Filosofia, Geografia, História, Letras, Matemática, Pedagogia, Segurança Pública, Sociologia, Serviço Social, Química e Turismo.

 

Histórico 

Antes de se tornar a Universidade Estadual, a instituição era voltada apenas a formar docentes no Estado. A Escola de Formação de Professores de Roraima foi criada em 1977 pelo governador biônico Fernando Ramos Pereira, com a finalidade de preparar profissionais para o ensino primário, enquanto o Centro de Formação e Aperfeiçoamento do Magistério (Cefam) tinha o objetivo de habilitar para as séries iniciais do Ensino Fundamental e promover a formação continuada dos professores com a oferta de cursos de curta duração.

Em 2001, o então governador Neudo Campos criou pelo Decreto 4.347–E a Fundação de Ensino Superior de Roraima (Fesur) para manter o Instituto Superior de Educação (ISE/RR), o Instituto Superior de Segurança e Cidadania (ISSeC) e o Instituto Superior de Educação de Rorainópolis (ISER).

Um ano depois de criada, a UERR foi efetivamente instituída com a aprovação do estatuto, em 13 de julho de 2006. Este período de transição foi marcado por audiências públicas, discussão interna acerca da implantação da universidade, incorporação da infraestrutura física da Fesur e das demais unidades, internalização de uma nova cultura institucional, e, especialmente, adoção de medidas para a incorporação dos cursos existentes e alunos matriculados.

Texto: Marilena Freitas

Foto: Tiago Orihuela

SupCom ALE-RR  

Compartilhar

Notícias Relacionadas

Arquivos

0