Lenir Rodrigues explicou que o projeto “Olhos de Maria”, em alusão a Lei Maria da Penha, é uma ação diferenciada do Chame.

O Centro Humanitário de Apoio à Mulher (Chame), da Procuradoria Especial da Mulher da Assembleia Legislativa de Roraima, irá reforçar, a partir desse segundo semestre, três projetos importantes voltados à proteção da mulher, prevenção e combate à violência doméstica: Olhos de Maria, A vida pede passagem e De olho nelas.

A procuradora especial da Mulher, deputada Lenir Rodrigues (PPS), disse que, por meio dos projetos, serão levadas palestras e capacitações sobre as consequências psicológicas, físicas e sociais, para mulheres, agentes de saúde, homens, crianças e adolescentes, em escolas, quartéis e igrejas.

Lenir Rodrigues explicou que o projeto “Olhos de Maria”, em alusão a Lei Maria da Penha, é uma ação diferenciada do Chame, que levará informações sobre legislação para homens e mulheres de igrejas evangélicas e católicas. “Esse é o nosso olhar para trabalhar com muita cautela, com muito cuidado dentro das igrejas evangélicas sem ter que interferir nas suas doutrinas e nem nos ensinamentos”, explicou.

Ofícios foram encaminhados a alguns templos para apresentar o projeto colocar a disposição a equipe para futuras palestras. “Acredito que haverá sensibilidade por parte dos dirigentes das igrejas, tanto das evangélicas, quanto da Diocese. Estamos aqui para juntar, ajudar, dar apoio e obediência às leis”, completou a procuradora adjunta especial da mulher, Sara Patrícia Farias.

“A vida pede passagem” será um roteiro com várias palestras para homens, principalmente militares do Exército e Aeronáutica. “Desde 2015 temos levado palestras para empresas e instituições públicas, cujo público e funcionários têm predominância masculina, quando abordamos sobre a Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/06), a situação da mulher na sociedade e igualdade de gênero. Eles precisam internalizar estas questões, conhecer mais a lei”, disse.

A parlamentar disse ainda que o projeto “De olho nelas” trata-se de um programa de capacitação de agentes de saúde que atendem nos serviços de urgência e emergência nas unidades de todo o Estado. “Inclusive temos uma lei estadual que estabelece a Notificação Compulsória da violência contra a mulher, por meio de atendimentos realizados na rede pública e privada de Saúde”, lembrou Lenir Rodrigues, dizendo que, dessa maneira, ao se depararem com lesões, os profissionais da Saúde notificarão os órgãos de segurança. “Vamos trabalhar com eles, qualificando-os, para que identifiquem a violência doméstica”.

Lenir comentou que, muitas mulheres chegam ao hospital lesionadas e criam histórias para encobrir situações vivenciadas em casa, como a de que escorregaram no banheiro, bateu na quina da mesa, entre outras justificativas. A equipe do CHAME é composta por advogadas, assistentes sociais e psicólogas.

Pesquisa – Recentemente, Roraima ocupou o ranking de Estado mais letal para as mulheres no Brasil, conforme pesquisa da ONG (Organização Não Governamental) Human Rigth Watch. Segundo esse trabalho, de 2010 a 2015, a taxa de homicídios de mulheres cresceu aproximadamente 140%, média de 11,4 homicídios para cada 100 mil mulheres, acima da nacional (4,4).

Sobre essa pesquisa a deputada Lenir Rodrigues declarou que, de fato, Roraima pode até se encontrar em primeiro lugar, mas por conta do aumento no número de denúncias feitas pelas mulheres, porque passaram a conhecer o trabalho desenvolvido pelo Chame (Centro Humanitário de Apoio à Mulher) e Rede de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. “Acredito que estamos em primeiro lugar, mas é no processo educativo das mulheres. É dando voz a elas, que estão dizendo que não querem mais sofrer”, finalizou a deputada.

 

Por Edilson Rodrigues

Por Yasmin Guedes

SupCom/ALE-RR