O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Jalser Renier, disse que o projeto vai beneficiar muitas pessoas.

A Rede Um Grito Pela Vida recebeu da Assembleia Legislativa de Roraima 60 unidades de jogos pedagógicos para trabalhar a prevenção ao tráfico de pessoas em escolas públicas da capital e interior do estado. O material foi elaborado pela Rede Nacional Um Grito Pela Vida e esclarece a crianças e adolescentes situações que podem envolver o aliciamento para exploração sexual e tráfico de pessoas.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Jalser Renier (SD), disse que o projeto vai beneficiar muitas pessoas, uma vez que Roraima desponta no cenário nacional como um estado com altos índices de casos de aliciamento de menores. Outro fator complicador dessa situação, conforme ele, é o fato de Roraima fazer fronteiras com dois países – Venezuela e Guiana. “Acreditamos e abraçamos a ideia da irmã Antônia [Stort] e da irmã Renata [Gonzato] que são senhoras voluntárias responsáveis por um projeto de alcance social tão grande como esse. Estamos combatendo. É importante a prevenção dentro das escolas, através de um trabalho seríssimo e voluntário da professora Socorro [Santos], das irmãs [Renata e Antonia] e de toda equipe da Assembleia Legislativa promovida pela deputada Lenir e por nós e por todas as pessoas que participaram desse projeto”, afirmou.

A deputada Lenir Rodrigues (PPS) ressaltou o trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Núcleo de Atendimento às Vítimas de Tráfico de Pessoas da Assembleia Legislativa e da Rede Grito pela Vida, que é um movimento nacional. “O Grito, como faz esse trabalho em rede e está constantemente nos apoiando, junto com o comitê estadual, nós solicitamos do presidente da Assembleia essa ajuda e esse apoio para confecção desse jogo de prevenção ao tráfico de pessoas”.

Ainda conforme ela, o material pedagógico dará suporte com o Grito Pela Vida ao trabalho do Núcleo de Tráfico de Pessoas. “…Ninguém trabalha isolado, é uma rede de atendimento, é uma rede de enfrentamento e o tráfico de pessoas não é uma cena de filme, existe em Roraima. Somos uma tríplice fronteira e estamos suscetíveis a esse crime. O tráfico humano é tão grave que ele tem o tráfico de pessoas para fins de exploração sexual, para fins de prostituição, para trabalho escravo, para tráfico de drogas, para tráfico de armas e, pior, para tráfico de órgãos”, comentou Lenir.

A irmã Antônia Stort disse que há dois anos a Rede Grito Pela Vida resolveu trabalhar com crianças e adolescentes a fim de prevenir o problema e, para isso, a ferramenta mais certa para trabalhar com os jovens seria um jogo. “E tivemos essa ideia de fazer o jogo que foi produzido lá em Brasília, há dois anos, e trazer para vários estados e aqui foi trazido no ano passado e apresentamos ao presidente (Jalser) e tentamos depois, através da parceria, apresentar o jogo para que os meninos nas escolas pudessem jogar e poder conhecer quais são os perigos que vão enfrentando, os direitos das crianças e quais as possibilidades que eles tem para se defender de todas as armadilhas que vão encontrar”, reforçou.

Os professores, conforme a irmã Renata Gonzato, serão treinados pela Rede para poder ensinar aos alunos como jogar. “O projeto é que todas as escolas do estado possam aprender esta maneira de prevenir”, concluiu.

Por Élissan Paula Rodrigues

SupCom/ALE-RR