Antes de combater a violência no contexto escolar é preciso conhecê-la, com isso, mapear as ocorrências. Para essa tarefa, as escolas públicas de Roraima podem contar agora com o projeto Papo Reto, que é uma ferramenta da Procuradoria Especial da Mulher da Assembleia Legislativa de Roraima (ALERR), que atua na identificação e prevenção de qualquer violência que possa atingir crianças e adolescentes. Como resultado das primeiras abordagens feitas em escolas públicas da Capital, onde a equipe da Procuradoria Especial da Mulher contou ainda com o auxílio do Observatório da Violência, a procuradora adjunta Sara Patrícia Farias explica qual a importância deste diagnóstico.

“O Observatório da Violência visa buscar e colher dados de violência contra mulher e toda discriminação de forma geral. Trabalhamos inicialmente no projeto Papo Reto, e ontem [quarta-feira,18] das 18h até as 20h, tivemos em uma dessas escolas [que terão os nomes preservados] apresentando os primeiros dados colhidos junto a adolescentes de 12 a 17 anos do ensino fundamental”, comentou a procuradora adjunta.

Ela disse ainda que o Observatório é fundamental, pois leva às escolas, um trabalho de prevenção de conversa e informação. “Não iríamos alcançar um resultado tão exato durante o Papo Reto, sem o apoio do Observatório que é desenvolvido por meio de questionários distribuídos aos alunos. É por meio destas perguntas que chegamos aos problemas que estes adolescentes estão passando”, esclareceu Sara.

A procuradora adjunta revelou ainda que durante o trabalho nas primeiras escolas estaduais, foi possível identificar abusos sofridos por meninas.  “Pelo menos 15 meninas relataram por meio do Observatório que foram abusadas dentro de casa”, detalhou Sara Patrícia.

Na próxima quarta-feira, dia 25, Patrícia ressaltou que a equipe multidisciplinar da Procuradoria Especial da Mulher, composta por advogadas, assistentes sociais e psicólogos, estará retornando a uma das escolas recentemente atendida, para disponibilizar toda estrutura de ajuda a esses jovens. Os trabalhos acontecerão das 8h às 11h30 e de 14h as 17h30.

Tarsira Rodrigues