O deputado Dhiego Coelho (PTC) aproveitou o momento de explicações pessoais no final da sessão plenária desta quarta-feira, 1º, na Assembleia Legislativa de Roraima, para informar que o Governo do Estado enviou mensagem governamental solicitando ao Legislativo autorização para contrair um empréstimo no valor de 110 milhões de reais. O deputado Jorge Everton (PMDB) também demonstrou indignação, e pediu aos demais deputados que não sejam favoráveis ao pedido do Executivo.

Dhiego Coelho lembrou que há mais de 30 dias foi falado em sessão que a governadora Suely Campos (PP) enviaria uma mensagem pedindo autorização à Assembleia para fazer o empréstimo. “Isso é um absurdo, pois o Estado está em crise, totalmente endividado e a chefe do Executivo quer deixar Roraima endividado mais ainda”, ressaltou, comentando que o Poder Legislativo não pode deixar isso acontecer. “Temos 24 deputados que representam o povo e temos que fazer de tudo para que esse projeto não seja aprovado. Quero fazer um clamor para a sociedade roraimense, para também se manifestar para que os deputados não autorizem esse empréstimo”, disse Dhiego.

Ao término da fala do parlamentar, o deputado Jorge Everton comentou que na sessão da terça-feira, 31, foi autorizado o Governo a renegociar débitos do Estado com o IPER (Instituto de Previdência de Roraima); com o PEF II e Proinveste, firmados com o BNDES (Bando Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social); e com o Banco do Brasil. “Só essas renegociações já comprometem o futuro de Roraima”, ressaltou.

“Agora vem um pedido de empréstimo para que possa atender interesses escusos do Governo. Digo escuso porque até hoje, nesses três anos de gestão do Executivo, o governo não fez uma aplicação devida, não gerou emprego e nem renda, não melhorou a saúde, a educação e a segurança pública. A gente tem visto que a prioridade é a própria família, com cargos comissionados, com secretarias extraordinárias. Isso é inaceitável”, disse Jorge Everton.

O peemedebista enfatizou que, se autorizado o empréstimo, a Assembleia estará comprometendo o presente e o futuro de Roraima. “Eles [governo] não criticavam a gestão passada, dizendo que tinha deixado o Estado endividado. E agora?”, lembrou Jorge Everton, pedindo que a população se mobilize, pois, caso contrário, o empréstimo será aprovado. “Nós temos que ficar atentos, as organizações civis e sindicais precisam se manifestar para não permitir que esse empréstimo milionário seja aprovado e comprometa o futuro”, ressaltou.

Edilson Rodrigues