O deputado Izaias Maia (sem partido), durante pronunciamento na tribuna, em sessão plenária desta terça-feira, 7, levantou novamente questionamentos sobre a segurança energética de Roraima. Ele iniciou o discurso falando do recente aumento que ultrapassa os 30% na tarifa de energia elétrica.

“A conta de luz já está mais cara desde quarta-feira dia 1º de novembro, e o aumento irá atingir cerca de 160 mil residências no Estado. Só para termos uma ideia, o assalariado que paga em torno de R$ 100, vai pagar em média 135 reais, e muita gente não tem condições de arcar com mais este aumento, uma vez que o salário mínimo continua estagnado. Estão na hora de todas as autoridades, deputados federais, senadores e deputados estaduais, bem como toda a sociedade, se unirem em defesa desse Estado”, convocou Izaias.

Ele classifica a situação como ‘gravíssima’ e espera que alguma decisão concreta em benefício do povo de Roraima seja tomada, do contrário a economia movida pelo setor privado será a primeira s sofrer.

“A classe empresarial está sendo prejudicada. As pessoas que ainda conseguem manter empresas neste Estado são verdadeiras guerreiras, pois não temos geração de energia de qualidade e isso atrasa a geração de empregos”, disse ao repetir que uma providência precisa ser tomada antes que “Roraima se transforme em um estado fantasma”.

Em contribuição ao pronunciamento de Izaias, o deputado George Melo (PSDC) disse que concorda com o parlamentar quando ele sugere reunir a classe política em todas as esferas para que o problema seja resolvido.

“Você [Izaias Maia] está coberto de razão, eu recomendo ao presidente que está hoje conduzindo a sessão, Coronel Chagas (PRTB), que convoque os deputados federais, senadores, a prefeita de Boa Vista, Teresa Surita (PMDB), e também a governadora Suely Campos (PP), para que possamos discutir o melhor caminho para acelerar a chegada de Tucuruí”, sugeriu Melo.

Quem também se uniu a bandeira de Izaias, foi o líder do governo na Assembleia, deputado Brito Bezerra (PP). “Não existe outra saída, temos que trazer o Linhão de Tucuruí, pois a energia da Venezuela não tem segurança jurídica e tampouco hídrica. Esta Casa precisa fazer outra audiência pública”, completou.

Izaias Maia concluiu o discurso dizendo que é preciso pensar nos menos favorecidos, principalmente aqueles que estão desempregados, além dos moradores do interior que chegam a ficar até 12 horas sem energia elétrica.

Tarsira Rodrigues