Pular para o conteúdo

Deputados estaduais pedem informações sobre aplicação de recursos no setor agrícola de Roraima

O presidente e o vice-presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária e Política Rural da Assembleia Legislativa de Roraima (ALERR), deputados Zé Galeto (PRP) e Marcelo Cabral (PMDB), respectivamente, solicitaram da Seapa (Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Abastecimento), informações sobre como estão sendo investidos os recursos no setor primário de Roraima. O requerimento que formalizou o pedido de informações foi aprovado na sessão dessa terça-feira, 28, e a Secretaria terá 30 dias para responder os questionamentos.

Zé Galeto explica que o documento pede informações sobre como os recursos estão sendo investidos no setor agrícola e da aplicação em cada município. “Os produtores cobram investimentos e por isso notificamos a Secretaria de Agricultura, por meio de documento oficial. Falta estrutura no interior do Estado, o transporte e a infraestrutura das estradas e vicinais estão comprometidas pela má conservação”, afirmou.

Marcelo Cabral disse que a cobrança é constante por parte dos trabalhadores do setor que, segundo o parlamentar, sentem dificuldades de um programa de apoio ao desenvolvimento rural para o fortalecimento da agricultura como segmento gerador de postos de trabalho e renda, além da estruturação das estradas e aplicação específica de recursos. “Temos andado o Estado inteiro e vendo a dificuldade dos agricultores, fazendeiros e produtores. Eles reclamam principalmente da falta de investimento e essa solicitação a Secretaria de Agricultura é justamente para saber onde estão sendo investidos os recursos da agricultura em Roraima”, destacou o parlamentar.

Um dos setores que mais sente a necessidade de investimentos, conforme os parlamentares, é a agricultura familiar. Em Roraima, os estabelecimentos destinados à esta modalidade representam 86% do número total de propriedades rurais. Além de gerar emprego e renda, o setor é responsável pela produção de 99% do feijão, 92% da mandioca e 93% do café em todo o estado. Os dados são do Censo Agropecuário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Tarsira Rodrigues

Compartilhar

Notícias Relacionadas

Arquivos

0