A partir de segunda-feira, 19, o Procon Assembleia fará duas pesquisas junto aos estabelecimentos comercias para, posteriormente, divulgar os preços dos ovos de Páscoa e do pescado, itens bastante consumidos neste período. A finalidade é promover uma relação harmoniosa entre os consumidores e fornecedores, além de ajudar os clientes a comprarem nos lugares que ofereçam qualidade com preços atrativos. Além disso, a pesquisa visa orientar o fornecedor quanto aos cuidados a serem observados no acondicionamento desses dois produtos.

“Em razão da Semana Santa, vamos promover essa pesquisa com relação à comercialização e a acomodação dos ovos e do pescado. Nossa finalidade é esclarecer o consumidor, que já deve sair de casa sabendo onde e o que vai comprar. A pesquisa é para auxiliar o consumidor, porque muitas vezes o produto é o mesmo, mas varia muito de preço entre os fornecedores. Nossa intenção é que o comércio venda bem e o consumidor saia satisfeito”, explicou o advogado do Procon Assembleia, Samuel Weber.

No caso do ovo de páscoa, Weber ressaltou que é preciso o consumidor avaliar bem o preço, principalmente quando o produto vier acompanhado de um brinquedo. Assim como prestar atenção quando apresentar alguma avaria como, por exemplo, estiver quebrado. Neste último caso, o preço obrigatoriamente deve ser diferenciado. “Um ovo quebrado não poderá estar exposto junto com que estão inteiros, e nem tão pouco ser o mesmo valor. O consumidor deve ficar atento”, alertou.

A pesquisa também se estenderá para os ovos caseiros. “Nós incentivamos esse comércio, mas o consumidor também precisa observar se os valores são atraentes e condizem com os ingredientes utilizados na fabricação”, ressaltou o advogado do Procon Assembleia.

Pescado – A higiene e a acomodação do pescado também serão dois itens observados durante a pesquisa. “Nossas equipes vão também orientar os fornecedores, para que não sejam objetos de denúncia e, consequentemente, sejam punidos e venham a ter prejuízo. Vamos divulgar essas duas pesquisas que serão úteis tanto para o fornecedor, que quer comercializar e vender bem, quanto para o consumidor, que quer sair satisfeito neste feriado”, disse o advogado.

Por Marilena Freitas

SupCom/ALE-RR