Fotos: SupCom ALERR

Hoje é 18 de maio, data em que é lembrada nacionalmente a morte de Araceli Cabrera Crespo, que foi raptada, drogada, estuprada, morta e carbonizada, aos 8 anos de idade. Esse caso aconteceu no estado do Espírito Santo, em 1973. O desaparecimento da menina completa 45 anos e ninguém foi punido pelo crime, até agora. Foi com esta história de violência e impunidade que a coordenadora do Núcleo de Promoção, Proteção e Atendimento às Vítimas de Tráfico de Pessoas, Socorro Santos, iniciou a blitz educativa realizada na noite dessa quinta-feira, 17, na Rodoviária Internacional de Boa Vista, localizada na avenida das Guianas, 1523, bairro 13 de Setembro.

Usando o microfone de avisos da rodoviária, Socorro além de contar a história de Araceli, também fez alertas aos passageiros que embarcavam e desembarcavam no terminal, quanto as diferentes formas do tráfico de pessoas e sobre a violência praticada contra crianças e adolescentes.

“Estamos na Semana Nacional do dia 18 de maio, onde o Brasil se debruça sobre as questões relacionadas ao combate ao abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes. O Núcleo trabalha para que as pessoas possam ter um olhar diferenciado e atento para essas questões. A rodoviária é um local por onde passam muitas pessoas e a informação pode salvar vidas em determinados casos”, explicou Socorro Santos.

A ação foi aprovada por todos no terminal rodoviário de Boa Vista. Maria Filomena Pereira de Oliveira, 60, é agricultura e mora na Vila do Equador, município de Rorainópolis, distante 321 quilômetros de Boa Vista. Para ela as informações repassadas pela equipe do Núcleo, foram de extrema importância. “Que bom que estão se preocupando com a gente, pois no interior quase não temos informações e já vimos muitos casos de violência, principalmente com mulheres e crianças”, relatou.

Sandra Nunes, 35, é técnica de enfermagem e pensa igual a agricultora. “Com essas informações ficamos mais atentos sobre a questão de tráfico de pessoas e violência contra crianças. Temos dois filhos pequenos e conversamos muitos com eles em casa sobre os perigos de se envolverem com as pessoas erradas. Procuramos dar o máximo de informação a eles”, afirmou.

Para lembrar – Em memória à menina Araceli, uma das mais emblemáticas vítimas de violência contra a criança no país, o dia 18 de maio foi instituído como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, com a aprovação da Lei Federal 9.970/2000.

 

Tarsira Rodrigues

SupCom ALERR