O esclarecimento foi apresentado na audiência pública promovida pela Comissão de Educação, da Assembleia Legislativa 

A secretária estadual de Educação, Leila Perussolo, afirmou que o fechamento da Escola Estadual 13 de Setembro é temporário. O esclarecimento foi prestado durante audiência pública promovida pela Comissão de Educação da Assembleia Legislativa nesta quarta-feira (29), a qual contou também com participação de alunos, professores, trabalhadores em educação e Conselho Tutelar.

Segundo a secretária, o decreto apenas oficializa a mudança ocorrida em 2017, quando os estudantes foram transferidos informalmente para a Escola Estadual Barão de Parima, uma vez que a reforma na escola em que eles estavam matriculados, iniciada em 2013, não ficou pronta até aquele momento.

Segundo Leila, a medida busca garantir uma segurança para os alunos em relação aos seus históricos escolares. “O decreto fez apenas a desativação temporária da escola, para resguardar o direito das crianças e comprovar a vida escolar. Não há intenção de extinguir o prédio”, explicou a secretária.

O encontro foi realizado pela Comissão de Educação, Cultura e Desporto do Poder Legislativo após receber questionamentos da comunidade escolar. O presidente da comissão, Evangelista Siqueira (PT), informou que a Assembleia Legislativa vai acompanhar o caso até que seja normalizada a situação dos alunos.

Ele afirmou ainda que pretende solicitar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para averiguar possíveis irregularidades na aplicação de recursos da Educação. “Neste sentido, essa Casa não vai deixar de buscar as respostas necessárias para dar resposta a população roraimense, no tocante ao caos na educação e na saúde”, disse.

Transtornos

A moradora do bairro 13 de Setembro, Suzalini Silva, informou que ao fazer um trajeto para uma escola mais distante, os sobrinhos correm perigo de serem assaltados. No período chuvoso, a situação se agrava, pois muitos pais não têm transporte para se deslocar.  “A comunidade necessita desta escola, desejamos que volte a funcionar, e isso vai nos ajudar. As crianças têm um direito de estudar perto de casa”, relatou.

Na audiência pública, o deputado Renan Filho (PRB) enfatizou que a comissão está disponível para receber as demandas da população, e que espera que a Seed apresente uma data para o retorno do funcionamento da escola.

Texto: Vanessa Brito

Foto: Alex Paiva

SupCom ALE-RR