Dia 30 de julho é lembrado como o Dia Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, a campanha Coração Azul. Para discutir o tema, a Procuradoria Especial da Mulher, da Assembleia Legislativa de Roraima, participará nesta quarta-feira (29) de um webinário (seminário pela internet) organizado pelo Comitê Estadual Judicial de Enfrentamento à Exploração do Trabalho em Condição Análoga à de Escravo e ao Tráfico de Pessoas em parceria com a Escola do Judiciário.

O webinário será transmitido pelas páginas da Escola do Judiciário no YouTube, Instagram e Facebook, das 16h às 17h (horário local). A procuradora-adjunta Especial da Mulher, Socorro Santos, será uma das palestrantes do evento, além de representantes do Tribunal de Justiça, Tribunal Regional do Trabalho da 16ª Região, Polícia Federal e Ministério da Justiça, por meio da Coordenação de Enfrentamento e Contrabando de Migrantes.

Com o tema “Panorama do Tráfico de Pessoas no Estado de Roraima e o Atendimento Psicossocial”, Socorro Santos abordará os trabalhos desenvolvidos que ajudam na identificação e no acolhimento às vítimas de tráfico humano. “Traremos alguns casos e vamos falar que desde 1999 o Estado se voltou às questões de tráfico de pessoas, principalmente para exploração sexual”, adiantou.

Em 2016 a Procuradoria Especial da Mulher implantou o Núcleo de Atendimento, Prevenção e Proteção às Vítimas de Tráfico de Pessoas com foco em acolher estas pessoas e trabalhar em conjunto com outras entidades e instituições públicas e não governamentais. O tráfico humano é o quarto crime mais “rentável” do mundo, atrás de tráfico de drogas, narcotráfico e falsificação, segundo as Organizações das Nações Unidas.

“A gente vai falar nesse evento para que as autoridades envolvidas façam a diferença”, alerta Socorro Santos. “O nosso carro-chefe [do Núcleo] é trabalhar com a resolutividade, dar resultado, fortalecer a família e solidariedade”, disse, ao destacar o projeto Educar é Prevenir, da Assembleia Legislativa, que percorreu mais de 30 escolas na Capital e no interior com informações e alertas sobre o tráfico humano.

Texto: Yasmin Guedes

Foto: Arquivo/SupCom ALE-RR

SupCom ALE-RR