Pular para o conteúdo

Lenir Rodrigues destina R$ 100 mil para pesquisa forense

A deputada Lenir Rodrigues (Cidadania) destinou R$ 100 mil em emendas para a aquisição de insumos e realização de pesquisas no Laboratório de Genética Forense (LGF), do Instituto de Criminalística da Polícia Civil de Roraima.
De acordo com a parlamentar, os recursos vão dar celeridade e segurança na investigação e elucidação de crimes no Estado, principalmente os sexuais. “Eu trabalho com enfrentamento da violência doméstica e familiar e a impunidade nesse tipo de crime é muito comum. O laboratório forense pode identificar os criminosos e dar mais tranquilidade para as vítimas”, disse.
Essa é a terceira vez que a deputada destina recursos à Polícia Civil do Estado, para investimento no Laboratório de Genética Forense, que é considerado o “terceiro melhor do Brasil”, segundo a parlamentar. “É importante ressaltar que este laboratório tem uma pesquisa científica para determinar o DNA da população de Roraima e isso vai ser muito importante para as gerações futuras”, completou.
Atualmente com auxílio das modernas técnicas da Biologia Molecular, é possível fazer o mapeamento genético dos indivíduos, por meio do exame de DNA, já que basta uma pequena amostra de sangue, saliva, sêmen ou pele para identificar uma vítima ou um suspeito.
Nesse sentido, para o delegado-geral, Hebert Amorim, investir no laboratório é consubstanciar a fundamentação das provas processuais, evitando erros jurídicos e protegendo as vítimas.
 “No Laboratório Forense fazemos o mapeamento genético, o que facilita a investigação, pois fundamenta o juiz a sentenciar o agressor a uma pena adequada e inquestionável. Então a preocupação da deputada é muito louvável de resguardar essas mulheres que são vítimas, que são vulneráveis a esse tipo de delito”, destaca.
Em 2020, de acordo com dados da Polícia Civil de Roraima, foram registrados 36 casos de violência sexual contra a mulher, sendo onze casos de estupro, sete de estupro de vulnerável, quatro de tentativa de estupro, oito de assédio sexual e seis de outro tipo de violência sexual.
Texto: Suellen Gurgel
Foto deputada: Supcom ALERR
Compartilhar

Notícias Relacionadas

Arquivos

0