Pular para o conteúdo

NOVEMBRO AZUL
Homens precisam estar atentos ao autocuidado, recomendam especialistas em live da Assembleia Legislativa

Quebrar tabus e encorajar homens a procurar os consultórios médicos. Assim foi a live Novembro Azul transmitida pela TV Assembleia (57.3), na noite desta sexta-feira (19), mediada pelo psicólogo Wagner Costa com a participação especial de Mário Maciel, urologista e especialista em saúde do homem.

Além de responder às perguntas dos telespectadores do canal 57.3 e internautas pelas redes sociais da Assembleia Legislativa (@assembleiarr), a live contou com o depoimento do pastor Jonas Valente, paciente de câncer de próstata. Ele relatou como foi desde o diagnóstico ao tratamento da doença. “Ninguém quer adoecer, ninguém quer morrer. O impacto é grande e nos faz pensar muito na família, nos amigos, mas não podemos entrar em desespero”, disse em vídeo.

Valente, como o sobrenome sugere, buscou forças na família, na igreja onde congrega e, principalmente, na Bíblia Sagrada. “As pessoas se preocupam com você, são solidárias e isso é fantástico”, contou. O tratamento começou e ele fez a cirurgia. Contudo, dez anos depois, a doença voltou e o pastor passou por 35 sessões de radioterapia.

Pela experiência, Jonas Valente ressalta a importância em deixar o medo e a vergonha de lado e olhar mais para si. “Homens, enfrentem com resignação. Nada de vergonha. Se cuidem. Saúde é um ato de sabedoria”.

 

Abordagem

O psicólogo Wagner Costa ressaltou que em 2021 houve 30 registros em Roraima de câncer de próstata, de acordo com dados da Sesau (Secretaria Estadual da Saúde). Ao questionar o urologista sobre a campanha Novembro Azul como alerta para a doença, Mário Maciel ressaltou para pensar além. “É importante, mas não necessariamente a próstata como única a fazer vítimas fatais, mas o homem tem problemas cardiovasculares, sofre de depressão”.

Além disso, Maciel pediu que a população desmistifique o toque como algo nocivo ao homem. “Vivemos em um país machista e cultura enraizada não é fácil de desmitificar. Deveríamos falar como um todo. O homem tem problemas de sentimentos, traumas, cardiovasculares, má alimentação”.

Outra abordagem feita pelos profissionais destacou que a mulher é a que mais cuida da saúde da família como um todo. “Isso é uma realidade nua e crua. Quem toma a iniciativa de cuidar deles, são elas. Acho que a abordagem do Novembro Azul deveria ser direcionada às mulheres”, brincou Maciel.

A conversa não se limitou ao câncer de próstata. Wagner Costa falou do trabalho da psicologia com outras especialidades para tratamento de doenças. “De que forma nós podemos sensibilizar o homem para cuidar da saúde mental e de maneira integral?”, questionou o psicólogo. “Buscar conhecimento, além do que se prega pela mídia convencional”, respondeu Maciel.

A necessidade do autocuidado, defendeu Wagner Costa, está nos resultados positivos dos tratamentos para diagnósticos precoces. Entre as vantagens apresentadas a ele pelo urologista, está a de menor intervenção no organismo, custo, tempo médico e retorno à família. “O câncer de próstata tem quase 90% de cura”.

 

Participação popular

 

Pelas redes sociais, homens e mulheres encaminharam perguntas e participaram da transmissão. “O tratamento inclui acompanhamento psicológico?”. Em resposta, Mário Maciel falou que a presença de um psicólogo soma forças para potencializar o tratamento e o mais beneficiado é o paciente.

Outra pergunta lida por Wagner Costa: “A cirurgia é feita pelo SUS [Sistema Único de Saúde]?”. “Sim”, afirmou Maciel. Ele contou que em Roraima a porta de entrada é o Hospital Coronel Mota.

Um internauta perguntou: “Por que ainda tanto preconceito e medo do toque retal?”. Wagner Costa e Mário Maciel afirmaram que este receio é o vilão dos homens. “Medo da dor, constrangimento e de que isso feriria a intimidade”. Costa relatou que fez o exame de próstata e afirmou. “É um exame rápido, indolor”.

Texto: Yasmin Guedes

Foto:

SupCom ALERR

Compartilhar

Notícias Relacionadas

Arquivos

0