Pular para o conteúdo

UNALE 2021
Ministra Tereza Cristina orienta investimentos em assistência técnica para desenvolver agricultura

“O nosso grande desafio é a assistência técnica. Não adianta dar o crédito se o produtor não sabe como produzir. Então, deputados estaduais, é isso que precisamos fazer. Temos que aproveitar a ferramenta da tecnologia para fazer chegar até os nossos agricultores a assistência técnica”.

 

Essa foi a orientação da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, no quinto painel da 24ª Conferência da União Nacional dos Legislativos Estaduais (Unale), na tarde desta quinta-feira (25), em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. A ministra falou sobre os aspectos econômicos do agronegócio.

A deputada Lenir Rodrigues (Cidadania) lamenta que o discurso de Tereza Cristina não contempla a agricultura familiar e indígena. Mas destaca que a visão dela é importante para avaliar o setor no Brasil e, em especial, em Roraima.

“Uma pena que a ministra volte os olhos apenas para o agronegócio. Mas os conteúdos apresentados por ela nos dão a visibilidade de que o governo de Roraima está no caminho certo no sentido de proporcionar a agricultura em grande escala com assistência técnica”, disse.

Para Lenir, a palestra fomentou ideias para a elaboração de projetos de leis que contemplem ainda mais a assistência técnica no Estado. “Como Assembleia Legislativa, podemos viabilizar a aprovação de PCCR [Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração] e concursos públicos para valorizar e contemplar técnicos agrícolas, engenheiros florestais e agrônomos”, afirmou.

A deputada Tyala Peres (PRTB) também considerou importantes os apontamentos da ministra, sendo viáveis para Roraima. “Olhando para nosso Estado, que tem uma área muito grande que se sustenta pela agricultura, com certeza vamos levar muitas ideias”, disse.

Para o deputado Gabriel Picanço (Republicanos), as ações apresentadas pela ministra já são desenvolvidas em Roraima. Ele cita como exemplo que a agricultura mantém o equilíbrio da balança comercial.

“A balança comercial só não está pior em razão do agronegócio que está sendo pujante. Roraima está sendo beneficiado pelo trabalho positivo do governo, que está levando grandes empresários para a região, além de incentivar o pequeno e o médio produtor a produzir. Este ano, a nossa meta para a agricultura do Estado vai passar de cem mil hectares”, ressaltou.

Ele também falou sobre o papel da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR) neste contexto. “Aprovamos a ‘Lei das Terras’ para fazer a regularização fundiária, PCCR dos servidores da Aderr [Agência de Defesa Agropecuária de Roraima] e estamos na expectativa de aprovar o Zoneamento Ecológico e Econômico [ZEE]”, lembrou.

Texto: Marilena Freitas

Enviada especial a Campo Grande – MS 

Foto: Eduardo Andrade

Enviado especial a Campo Grande -MS

SupCom ALE-RR 

Compartilhar

Notícias Relacionadas

Arquivos

0