Pular para o conteúdo

CONSCIENTIZAÇÃO
Assembleia Legislativa alerta para o tráfico de pessoas durante exibição de filme em cinema de Boa Vista

Emoção e informação marcaram a estreia do filme “Som da Liberdade”, em um cinema de Boa Vista, na noite de quinta-feira (21). A plateia foi surpreendida com uma ação do Centro de Promoção e Atendimento às Vítimas de Tráfico de Pessoas, do Programa de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania (PDDHC), da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR), que alertou para o crime de tráfico de pessoas.

Representantes do centro distribuíram material informativo sobre o crime, modalidades e canais de denúncias. Além disso, conversaram com os espectadores sobre o filme, que conta a história real de um ex-agente americano, Tim Ballard, que se infiltra em uma rede de traficantes para salvar crianças na Colômbia.

Eles explicaram que a realidade retratada na obra está mais perto do que se imagina, pois Roraima faz parte de uma tríplice fronteira com a Venezuela e a Guiana, que é um dos principais corredores do tráfico de pessoas no Brasil.

“Hoje em Roraima, temos o tráfico internacional, interestadual e intermunicipal. Já atendemos muitas mulheres que foram aliciadas. Por isso, convidamos vocês a fazerem parte dessa intervenção. O filme retrata o tráfico de crianças e adolescentes, mas essa realidade não é apenas dos Estados Unidos, mas também daqui, onde temos várias modalidades de tráfico”, afirmou a diretora do programa, Socorro Santos, antes da sessão começar ao convidar a plateia a se engajar nessa luta.

A situação local e a história das crianças sequestradas comoveram a pedagoga Joseane Pitombeira, de 47 anos. “Eu me emocionei do começo ao fim, e essa experiência que vimos no filme, e no final do filme já estava muito nervosa, porque nós que trabalhamos com criança, sabemos que isso é muito, porque a gente traz isso para a sala de aula, conscientizar e trabalhar isso com as nossas crianças. Eu sou uma defensora dos direitos das crianças e quero também parabenizar a Assembleia Legislativa por esse trabalho”, disse com os olhos marejados.

João, de 59 anos, marido de Joseane, destacou a importância da ação educativa para que as pessoas possam compreender melhor o assunto. “A Assembleia está ajudando o pessoal a entender essa questão. Outra coisa importante é que aqui temos um órgão de direitos humanos correndo atrás disso, enquanto em muitos lugares as pessoas não estão cientes desse crime e, por isso, não podem se proteger”, observou.

O casal Aleixo de Souza, de 66 anos, e Sílvia Isaque, de 61 anos, também prestigiou a estreia. Souza salientou a relevância de difundir informações sobre o crime comum, que é frequentemente ignorado.

“É muito importante se inteirar a respeito disso, porque muitas vezes essas situações acontecem e a gente não sabe, porque a sociedade muitas vezes esquece dessa área, então ao transmitirem essas informações é muito bom, porque vamos ficar mais atentos.”

Já o gerente do cinema, Anderson Ribeiro, disse que a empresa não se furtaria da responsabilidade de apoiar a conscientização.

“Nós temos uma parceria há algum tempo com a Assembleia Legislativa, que vai além de propagandas. Também fazemos o acolhimento das ações que ela vem trazendo. E esse é um tema bem sensível, que é bem presente no nosso Estado, por isso, como empresário, não poderíamos deixar de abordar uma temática tão importante para nossa sociedade”, afirmou Ribeiro.

Segundo Glauber Batista, diretor do centro, a iniciativa se insere na estratégia de prevenção que o programa vem implementando ao longo dos anos, especialmente nas escolas com o projeto “Educar é Prevenir”.

“Nós vamos ficar aqui até domingo enfatizando nosso trabalho de prevenção. Também temos projetos que enfocam essa questão da prevenção, como o ‘Educar é Prevenir’, com enfoque na questão da exploração sexual de crianças e adolescentes e o abuso”, esclareceu o diretor.

Lançado em 2017, o projeto que tem como missão alertar crianças e adolescentes sobre o tráfico humano, direcionando-se à faixa etária que está mais vulnerável às táticas dos aliciadores. Até o momento, foram visitadas 41 unidades de ensino.

Para denunciar violações dos direitos humanos, disque 100 ou 180. As vítimas também podem procurar atendimento na sede do PDDHC, na rua Coronel Pinto, 524, bairro Centro, ou pelos canais remotos: telefone (95) 98402-1493 e e-mails: programapdhc@gmail.com ou traficodepessoas.rr@gmail.com.

PDDHC

O Programa de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania (PDDHC) da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR) tem como principal missão promover projetos e capacitações para fortalecer a inclusão social e cidadã de grupos minoritários. Coordenando ações por meio dos Centros de Apoio de Promoção e Atendimento às Vítimas de Tráfico de Pessoas (CPAVTP), da Pessoa com Deficiência (CAPD), de Assuntos Indígenas (CAAI) e de Incentivo às Mulheres na Política (CIMP).

Texto: Suellen Gurgel

Fotos: Jader Souza

SupCom ALE-RR

Compartilhar

Arquivos

banner assembleia 125x125

Notícias Relacionadas