Os alunos da Escola Estadual José Aureliano da Costa, localizada na sede do município do Cantá, a 38 quilômetros de Boa Vista, vão iniciar o mês de novembro envolvidos em uma atmosfera cultural. Eles são os contemplados desta semana com o Cine ALE Cidadania, um programa da Assembleia Legislativa do Estado de Roraima (ALERR), de autoria do deputado Jalser Renier (SD).

A sessão cinematográfica será no Cine Super K, a partir das 14h30, quando irão assistir ao filme Thor: Ragnarock, e terão direito a refrigerante, água e pipoca. Antes de iniciar o filme, os alunos vão assistir um vídeo informativo sobre gravidez na adolescência.

Uma parcela significativa dos 261 estudantes da escola do Cantá, conforme explicou o coordenador do Cine ALE Cidadania, Ademir Barros, nunca foi ao cinema. Esses alunos na faixa etária de 12 a 17 anos serão presenteados em dose tripla na tarde do dia primeiro de novembro, quarta-feira: lazer e cultura por meio da sétima arte, o cinema, além de irem assistir Thor: Ragnarok, em 3D, um dos filmes mais esperados do ano, cuja bilheteria antecipada iniciou em setembro.

“Muitos deles nunca foram ao cinema por diversos motivos como o difícil acesso e por ser muito caro para as condições financeiras dos pais. Boa parte deles não conhece sequer a capital de Boa Vista. Então nesta quarta-feira será uma grande oportunidade e uma festa para todos”, disse Barros.

A diretora da escola, Neusa Simplício de Andrade, contou que os alunos estão eufóricos ao saber que vão assistir no cinema ao filme Tor: Ragnarok. “Os alunos estão contando os dias e as horas para ver esse filme em 3D, e em um cinema de verdade. Aqui no Cantá muitas crianças e até adultos, principalmente os adultos, nunca foram ao cinema”, disse a diretora.

Essa é a terceira vez que a diretora acompanha alunos de diferentes escolas para participarem do Cine ALE Cidadania, um programa que ela avalia como necessário aos alunos da rede pública de ensino, principalmente pela escassez de projetos voltados para o lazer e a cultura que atendam esse público alvo.

“Conheço esse programa há muito tempo porque fui gestora de outras escolas e acompanhei as turmas, assim como estou tendo a oportunidade de acompanhar mais uma vez nesta quarta-feira. Aqui no Estado, quando falamos em cultura, todos havemos de convir que essa área de lazer e de projetos sociais deixam muito a desejar. Aqui no Cantá não é diferente e os adolescentes ficam ansiosos sem ter o que fazer. Temos esporte, mas ainda é capenga. Sabemos que quando não se ocupa a cabeça com coisas sadias, a tendência é seguir um caminho contrário. Aqui no Cantá a gente remedia, quando há sábados letivos, e faz uma sala de cinema escurinha e passa o filme no data show, mas nunca é como no cinema de verdade”, disse.

Marilena Freitas