Quase 300 alunos da Escola Estadual Carlo Casadio, localizada na avenida Centenário – Cinturão Verde, zona Oeste de Boa Vista, participaram na tarde desta quarta-feira, 11, de uma palestra sobre prevenção ao tráfico de pessoas e orientações sobre como identificar abusos e exploração sexual. A palestra foi ministrada pelo Núcleo de Promoção, Prevenção e Atendimento às Vítimas de Tráfico de Pessoas da Procuradoria Especial da Mulher, órgão vinculado a Assembleia Legislativa de Roraima (ALERR).

A psicóloga do Núcleo, Elizabete Brito, afirma que a palestra ocorreu após uma solicitação da escola, uma vez que eles passaram pelo projeto Educar é Prevenir e, tanto a gestão da instituição quanto os alunos, gostaram da metodologia e resolveram ampliar os conhecimentos por meio de mais esta palestra.

“A gestão e a coordenação pedagógica aprovaram o projeto e solicitaram esta palestra para reforçar os conhecimentos dos alunos do ensino médio. Estamos aqui mais uma vez para passar informações para eles sobre o tráfico de pessoas, abuso e exploração sexual. Esses estudantes sairão daqui sabendo como ocorrem os abusos, o que é exploração sexual, como acontece o aliciamento e qual os danos causados em vítimas que são traficadas, justamente para que eles possam saber como evitar e onde denunciar esse tipo de crime”, explicou Elizabete.

Iomar da Costa é coordenadora pedagógica da Carlo Casadio e considera as informações que estão repassadas na palestra como ferramentas de proteção para os adolescentes e jovens. “Nós já soubemos de várias situações de risco envolvendo alunos da nossa instituição e com isso queremos proteger nossas crianças, adolescentes e jovens, pois educar protege e o conhecimento transforma”, pontou, ao ressaltar que é importante alertar os alunos sobre os perigos que o mundo oferece.

Aluno do 3º ano do Ensino Médio, Thiago Costa, 17 anos, afirma que é preciso conhecer o outro, antes de confiar. “Saber sobre as intenções das pessoas que estão ao nosso redor e só depois depositar confiança nelas, do contrário todos corremos risco”, analisou o adolescente.

Pensamento semelhante tem a estudante do 9º ano, Thaiz Alves Bezerra, 16. Ela já presenciou uma situação de abuso e nunca mais esqueceu. “Conheço pessoas que já foram vítimas de exploração sexual e acho que se elas tivessem conhecimento sobre como se prevenirem, não teriam passado por isso, acho que devemos denunciar, não podemos fica caladas, isso é crime”, disse.

Para as instituições que tiverem interesse em solicitar as palestras da Procuradoria Especial da Mulher da Assembleia Legislativa de Roraima, podem enviar ofício em nome da procuradora-geral, Lenir Rodrigue (PPS). A Procuradoria funciona na avenida Capitão Júlio Bezerra, 193 (ao lado do Hospital Coronel Mota). Mais informações podem ser obtidas por meio do 0800 095 0047.

 

Por Tarsira Rodrigues

SupCom/ALE-RR