A taxa de 180 reais referente ao valor da inscrição do concurso da Policia Militar de Roraima, que teve o edital divulgado esta semana, foi alvo de críticas durante a sessão desta quinta-feira, 3, na Assembleia Legislativa de Roraima. O deputado George Melo (PSDC) disse que a quantia cobrada está acima da realidade local. Ele anunciou ainda a construção de um projeto de lei que vai apontar caminhos para a realização do concurso, no sentido de garantir a participação de todos, principalmente daquelas pessoas que não possuem condições de pagar o atual valor exigido.

“Estamos trabalhando em um projeto e já colocaremos para votação na próxima sessão. A população de Roraima não pode ser excluída, principalmente os nossos jovens. É preciso dar oportunidade para quem não tem condições. Se estamos fazendo um concurso pela Universidade Estadual de Roraima (UERR), não tem sentido essa cobrança absurda e exorbitante, e durante a votação do projeto vamos realizar um grande debate para que o principal beneficiado seja os candidatos”, defendeu Melo.

Ainda durante os comentários, o parlamentar sugeriu que a taxa fosse estipulada entre R$ 50 e 100 reais. “O governo poderia cobrar até R$ 100, porém precisa abrir oportunidade para aqueles que não possuem condições de arcar com os custos da inscrição. Tirar a chance de um jovem que há muito tempo vem estudando é injustiça. O Estado não pode querer ganhar em cima deste concurso, uma vez que a culpa do colapso vivido é do próprio Executivo, da má administração e não podemos penalizar o povo”, destacou George Melo.

Quem saiu em defesa do posicionamento de Melo, foi o deputado da base governista Coronel Chagas (PRTB). Ele considera os questionamentos importantes e afirmou que afixação das cobranças foi estabelecida pela UERR, sob a alegação de que os custos para a realização das cinco fases do concurso seriam altos.

“Pelas informações que me chegaram o valor inicial seria de R$ 129, no entanto a UERR informou que as despesas ficariam altas para as cinco fases, com isso houve um acordo que para cobrir as cinco fases, sendo necessário elevar a taxa para R$ 180. No meu entendimento ficou alto e temos que buscar diálogo junto ao Governo e a UERR vai ter que baixar o valor para que as pessoas possam fazer a inscrição, isso é uma situação que preocupa e temos que resolver”, admitiu Coronel Chagas.

Há um ano, Thiago Marques, 22, está se preparando para o concurso da Polícia Militar e afirma que fará sacrifícios para arcar com a inscrição. “Estou me preparando em cursinhos particulares e gratuitos e até em casa por meio de videoaulas. A taxa está alta, mas vamos fazer um sacrifício para pagar a taxa, pois estou em busca da tão sonhada estabilidade financeira”, disse.

Ao todo são 400 vagas, sendo 340 para homens e 60 para mulheres. As inscrições podem ser feitas entre os dias 15 de maio a 24 de junho. A prova será no dia 19 de agosto.

Por Tarsira Rodrigues

SupCom/ALE-RR