Fotos: SupCom ALERR

Inconformado com o valor da inscrição cobrado para o concurso da Polícia Militar de Roraima (PMRR), e diante de inúmeras reclamações nas redes sociais, o deputado George Melo (PSDC) resolveu usar o ‘remédio jurídico’ para reduzir dos atuais 180 para 80 reais. O anúncio foi feito durante a sessão ordinária da Assembleia Legislativa do Estado de Roraima (ALE/RR), nesta terça-feira, 22.

O certame será de responsabilidade da UERR (Universidade Estadual de Roraima) e o parlamentar alega que essa taxa é superior a cobrada em outras unidades da Federação, inclusive nos demais concursos realizados no Estado. No próprio concurso da Assembleia Legislativa, por exemplo, a inscrição para nível médio foi de R$100.

“Estão cobrando quase 200 reais para realizar um concurso. Vou entrar com uma medida judicial para que esse valor seja baixado para, no máximo, 80 reais. O Estado não pode ganhar dinheiro com o sofrimento desses pais, que há anos preparam seus filhos, os quais ficam no final de semana estudando, e agora não podem fazer o concurso por não terem R$180. Quero que esses jovens se sintam representados por essa Casa. Vou buscar o direito dessas pessoas na justiça”, garantiu o parlamentar.

Para George Melo, o Governo do Estado deveria, diante da crise econômica e da necessidade urgente de aumentar o efetivo da PM para garantir segurança pública, usar outra tática para atrair mais concorrentes ao concurso e não afastar com uma taxa exorbitante. “O Governo do Estado tem a UERR e a PM para fazer todas as etapas do concurso. A governadora deveria é isentar os jovens, cujos pais são assalariados, porque esse valor é exorbitante, e vai tirar muitos jovens da concorrência”, afirmou.

Apesar de acreditar que não era o momento para o certame por conta da crise financeira do Estado, Melo ressalta que muitos ‘concurseiros’ estão confiantes e se esforçando. “Não posso aceitar a insensibilidade desse governo de cobrar valor tão desproporcional, que impede muitos de concorrer. Esse é um concurso tirado da ‘cartola’, e nem acho que vai chamar esses servidores, pois o Estado não tem dinheiro para pagar os servidores e os Poderes”, lembrou George Melo.

O deputado deixou claro que não entrou com um projeto de lei para baixar o valor porque sabe que isso demandaria tempo e poderia prejudicar o andamento do certame. “Não vou propor o projeto porque suspenderia o concurso, e é isso que a governadora quer, dizer que iria fazer o concurso, mas que um deputado não permitiu”, analisou.

 

Marilena Freitas

SupCom ALERR