Núcleo Reflexivo Reconstruir realiza rodas de conversas e atendimento especializado para homens com histórico de atos violentos

 

Foto: Lucas Almeida/SupCom ALE-RR

Quando se trata de violência doméstica, toda a ação de acolhimento à vítima é bem vinda. Mas além de trabalhar com a parte agredida, a Assembleia Legislativa desenvolve um projeto pensando no outro lado: o do agressor. O Núcleo Reflexivo Reconstruir, da Procuradoria Especial da Mulher, foi montado para acompanhar homens com histórico de atos violentos.

O núcleo tem um ano e meio de funcionamento e por meio de rodas de conversas e atendimento individual, pretende fazer esses homens refletirem sobre comportamentos agressivos.  No primeiro semestre de 2018, a unidade atendeu a 29 homens, que cometeram atos de violência ou possuem comportamento agressivo.

As rodas de conversa são realizadas todas as quartas-feiras, às 9h, conduzidas por uma equipe composta por psicólogo, assistente social, advogado e pedagogo. No total são dez palestras sobre família, relação a dois, paternidade, estresse e agressividade, machismo, álcool e drogas, depressão, saúde do homem e autoestima. Além disso, são abordados temas como as legislações sobre violência doméstica e feminicídio.

Neste mês está em andamento o segundo ciclo de palestras com a participação de 16 homens. O primeiro ciclo encerrou em abril com 13 pessoas, totalizando 29 atendimentos.

“Levantamos fatos do cotidiano dos assistidos, ajudando-os a refletir sobre suas atitudes de forma lúdica e dinâmica”, explicou o coordenador interino do projeto, Rômulo Alves. Além dos momentos em grupo, os participantes recebem acompanhamento individual. A principal demanda são os atendimentos psicológicos.

A unidade atende aos homens encaminhados pelas seguintes instituições: Centro Humanitário de Apoio à Mulher (Chame), Vara de Penas e Medidas Alternativas (Vepema) – coordenada pelo Tribunal de Justiça de Roraima (TJRR) – Defensoria Pública do Estado (DPE), Secretaria de Estado da Educação e Desporto (Seed).

Além disso, a instituição também recebe homens que procuram o atendimento de forma espontânea. “O núcleo atende tanto a demanda encaminhada pelas instituições, como aqueles que procuram de forma voluntária. Geralmente são pessoas que passam por problemas dentro de casa e desejam mudar as suas atitudes e, para isso, necessitam de ajuda profissional”.

Homem vence medo de ser julgado e procura ajuda

O funcionário público D.W ficou sabendo do Núcleo Reconstruir no ambiente de trabalho. Como estava enfrentando problemas familiares, ele deixou o receio de lado e decidiu buscar ajuda.

O funcionário está participando do segundo ciclo de palestras e ao detectar atitudes agressivas em um amigo, convidou-o para conhecer o projeto. O que mais chamou a atenção foram os vários tipos de atendimentos de forma acessível.

“Na roda de conversas, tenho a oportunidade de trocar experiências, acertar mais e errar menos com a minha família. Sempre que posso, informo às pessoas que elas podem ser ajudadas pelo Núcleo”.

ATENDIMENTO – As rodas de conversas e o atendimento especializado estão abertos ao público masculino. Os interessados podem comparecer no Núcleo, que funciona das 7h30 às 13h30, e apresentar a carteira de identidade para o preenchimento do formulário de atendimento.

A sede fica na avenida Capitão Júlio Bezerra, nº 193, bairro 31 de Março. O contato pode ser feito ainda pelo telefone (95) 3624-8073 ou pelo e-mail reflexivo.reconstruir@gmail.com.

Vanessa Brito

SupCom ALE-RR