Alunos e professores do Centro Universitário Estácio da Amazônia, localizado no bairro União, zona Oeste da capital, receberam na noite desta quarta-feira (2), orientações sobre o funcionamento do programa Fiscaliza Roraima, da Assembleia Legislativa de Roraima. A equipe técnica do órgão orientou a população sobre como reivindicar os seus direitos de cidadãos.

Acadêmica de Educação física, Cristiane Belarmino, ainda não tinha ouvido falar da ação. Ela, que enfrenta problemas relacionados à conta de energia elétrica, destacou a importância do programa. “Achei importante conhecer e já vou fazer a minha denúncia sobre a energia. Na minha casa não tem ar condicionado, máquina de lavar, só temos uma geladeira e, para mim, o valor cobrado é caro”, disse.

Semelhante à Cristiane, a auxiliar de serviços gerais, Cleonir Araújo, destacou que além da energia, os problemas relacionados à saúde pública também já lhe prejudicaram. “Estou agendada há mais de dois anos esperando uma consulta no oftalmologista pelo serviço público e, tive que fazer tudo particular, porque nunca tive um retorno”, comentou.

A equipe do Fiscaliza Roraima distribuiu panfletos informativos e explicou à população sobre o papel fiscalizador do cidadão. De acordo com a técnica Edilene de Oliveira, o objetivo é divulgar o Fiscaliza Roraima para que a população busque seus direitos. “Estamos aqui informando sobre a existência do nosso programa e, como eles podem se beneficiar fazendo denúncias, cobrando o poder público sobre os seus direitos”.

Como denunciar?

Qualquer pessoa pode se tornar um fiscalizador. As demandas podem ser encaminhadas ao Fiscaliza Roraima por meio dos números 4009-4835 ou 98402-1735, pelo e-mail fiscalizarr.com.br ou pelo aplicativo do órgão “Fiscaliza Roraima”, disponível para Android. Após o recebimento das denúncias, a equipe do órgão visita o local e caso seja constatado o problema, é aberto um processo; a comunidade pode acompanhar o andamento pelo site. Pelo programa, o órgão competente é notificado para que o problema seja solucionado.

Texto: Jéssica Sampaio
Foto: Alex Paiva
SupCom ALERR