Considerando que sem as aulas presenciais, muitas crianças e adolescentes têm passado mais tempo em jogos eletrônicos, o programa Abrindo Caminhos produziu um vídeo educativo para alertar mães e pais sobre os impactos dessas ferramentas. A boa notícia é que, desde que usados com moderação, esses aplicativos podem apresentar benefícios, como o desenvolvimento da coordenação motora, memória e atenção.

O professor de informática do Abrindo Caminhos, Eubert Botelho selecionou benefícios dos jogos, e a psicóloga Adriã Almeida falou sobre os cuidados na hora da diversão.

A servidora pública Eulice Bernardes contou que desde cedo seu filho faz uso de jogos eletrônicos. No início os jogos eram escolhidos por ela, agora que o filho tem 12 anos, ele mesmo escolhe, mas ela sempre verifica o que seu filho joga.

“Essa geração começou muito cedo a ter acesso a celular, meu filho sempre jogou, eu sempre deixei, acredito que ajuda nós temos que ficar observando, fiscalizando. Sempre que observava que ele não estava bom na escola, era a hora de chamar pra conversar”, disse a mãe.

Benefícios

Confira os principais benefícios apontados pelo professor Eubert Botelho:

Atenção. “Jogos de ação em primeira pessoa melhoram a visão ao aumentar a capacidade do cérebro de prestar atenção a vários eventos ao mesmo tempo”, disse.

Ansiedade. “Jogar videogame é eficaz na redução de ansiedade e também de dores causadas por doenças crônicas.”

Memória e concentração. “Jogar exige memória visual e auditiva, o jogador é obrigado a ler ou ouvir as instruções que são anunciadas no início do jogo, portanto há necessidade de lembrar dessas informações durante o jogo.”

Combate a depressão. “Jogos simples são capazes de aliviar sintomas de depressão, ajudam a elevar o humor, elevar qualidade de vida e ainda diminui a ansiedade. Quando o jogador faz processo em fases é gerado um sentimento de satisfação e autoeficácia, aumentando assim a autoestima para realizar tarefas do dia a dia e cumprir metas.”

Reflexos aguçados. “Jogos de ação em primeira pessoa forçam no desenvolvimento e melhoria de reflexo, pessoas que jogas podem ser mais rápidas nas tomadas de decisões sem perder a precisão”, esclareceu o professor.

Cuidados

A psicóloga do Programa Abrindo Caminhos, Adria Almeida, disse que todos esses benefícios são válidos, mas que é preciso observar se a criança ou o adolescente não está fazendo o uso dos jogos eletrônicos em excesso.

“Quando utilizados de forma incorreta os jogos podem trazer malefícios e riscos à saúde. É muito importante que os pais ajudem os filhos a fazerem o uso consciente dos jogos eletrônicos”, finalizou.

Confira alguns problemas que podem ser causados por jogos eletrônicos:

Vício. O vício pode acarretar em prejuízos como perda ou ganho de peso, falta de higiene pessoal e horário de sono irregular.

Comportamentos agressivos e problemas de saúde. Estudiosos apontam que jogadores obsessivos podem desenvolver adversidades como depressão e ansiedade. Outra dificuldade devido ao excesso de jogos eletrônicos é o aumento de irritabilidade deixando quem joga agressivo.

Problemas de visão. Tanto na TV como no computador, olhar diretamente para uma tela excessivamente, poderá prejudicar componentes físicos do olho, uma vez que você passa a piscar menos quando está em contato visual com um jogo.

Sedentarismo. A vontade de não praticar alguma outra atividade que não seja jogar pode surgir e está cada vez mais comum.

Postura. Com horas e horas sentado, seja manuseando um controle ou com mouse e teclado, a postura tende a se manter de maneira errada, e com isso, pode-se desenvolver problemas como lordose, hérnia de disco ou escoliose.

Texto: Ana Lucia Montel

Foto: Jader Souza

SupCom ALE-RR