Pular para o conteúdo

Yanomami estão abandonados por falta de políticas públicas, critica Gabriel Picanço

Quem passa pela avenida Glaycon de Paiva, no bairro Mecejana, zona Central de Boa Vista, já percebeu a presença de índios da etnia Yanomami acampados sob lonas, perto da via ou no meio-fio. Recentemente uma adolescente de 14 anos, pertencente ao grupo, foi atropelada enquanto tentava atravessar a via.

Diante dessas situações, o deputado Gabriel Picanço (Republicanos), usou a tribuna da Assembleia Legislativa desta quarta-feira (2) para pedir apoio e providências de órgãos federais, quanto a vulnerabilidade destas pessoas em Boa Vista e cidades próximas, como os municípios de Alto Alegre e Mucajaí, distantes  95 e 55 quilômetros de Boa Vista, respectivamente.

Segundo ele, isso ocorre porque faltam políticas públicas sérias por parte do Governo Federal e apoio na produção para ajudar os indígenas no sustento das comunidades. “As Ongs [Organização não-Governamentais] querem empurrar eles para dentro das matas como massa de manobra”, disse. “A justiça é cega, principalmente em Roraima. Duvido que não tenha um magistrado que não passe pela Glaycon de Paiva e não veja aquela situação”, desafiou.  A avenida mencionada pelo parlamentar passa ao lado do Fórum Sobral Pinto.

Gabriel Picanço ressaltou que esta migração dos indígenas é resultado da falta de políticas públicas do Governo Federal e da intervenção – “sem fiscalização” – das ONGs nas comunidades indígenas. Ele garantiu que os garimpeiros ajudam a manter as comunidades com mantimentos.

“Os índios, se se contaminarem pela covid em Boa Vista, o povo do ‘mal’ vai dizer que foram os garimpeiros, mas os garimpeiros estão salvando vidas, estão trocando alimentos com eles lá”, defendeu Gabriel Picanço.

Em aparte, o deputado Evangelista Siqueira (PT) contou que há tempos o Governo Federal regrediu com as políticas públicas, não só para os indígenas, mas para pessoas com deficiências e outros grupos em vulnerabilidade.

Citou, inclusive, sobre a imagem da criança Yanomami encontrada por um grupo missionário com desnutrição aguda. “Não pode acontecer essa violência extrema que destrói vidas, destrói culturas, destrói tradições”, alertou.

Disse ainda que a situação dos Yanomami se agravou com o avanço do garimpo ilegal nas terras federais e, com isso, destroem rios, a natureza e comprometem costumes e tradições dos povos isolados.

Na contrapartida, o deputado Jeferson Alves (PTB) pontuou que as Organizações não-Governamentais usam os indígenas e as populações afastadas dos grandes centros como massa de manobra. “São brasileiros que precisam ser assistidos, precisam ter uma condição e uma qualidade de vida melhor”, acrescentou.

HOSPITAL DE AMOR 

Outro assunto abordado pelo parlamentar foi a inauguração do Hospital de Amor, nesta quarta-feira às 17h, com a presença do Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. “Antes as famílias vendiam seus bens para se tratar de câncer em Barretos [SP], mas hoje esse tratamento poderá ser feito aqui em Roraima”, lembrou.

Parabenizou a contribuição da ex-senadora Ângela Portela e do deputado Federal Hiran Gonçalves (PP) com recursos para construção da unidade hospitalar em Roraima. Destacou ainda a contribuição da Assembleia Legislativa na aprovação do Projeto de Lei, oriundo do Governo do Estado, para doar o terreno onde está construída a unidade hospitalar. “Cada um de nós tem um pouquinho de contribuição ali”, destacou.

Texto: Yasmin Guedes

Foto:  Marley Lima

SupCom ALERR

Compartilhar

Notícias Relacionadas

Arquivos

0