Fotos: SupCom ALERR

Nesta terça-feira, 22, uma equipe do Núcleo de Promoção, Prevenção e Atendimento às Mulheres Vítimas de Tráfico de Pessoas, iniciará uma capacitação para os docentes e discentes da Escola Estadual Senador Hélio Campos da Costa. A proposta é repassar informações acerca do assunto tráfico de pessoas para fins de exploração sexual, e a programação será das 10h às 12h e das 16h às 17h45.

Essa unidade escolar, localizada na Rua Francisco Anacleto da Silva, 567, no bairro Dr. Sílvio Leite, será a 20ª instituição a receber o Educar é Prevenir.  O projeto levará capacitação que resultará em conhecimento, novas habilidades e promoverá mudanças de concepções e práticas com relação a essa temática, que é uma realidade no Estado de Roraima.

Ontem, segunda-feira, 21, conforme a coordenadora do projeto, Elizabete Brito, a equipe do Educar é Prevenir deixou na escola o material a ser usado durante a capacitação como a caixa small jail boxes (que simboliza uma jaula), flyers, cartazes, banners e os filmes que contam a história de mulheres que foram traficadas, e que vivenciaram na prática o tormento e a dor de serem exploradas sexualmente.

“A entrega desse material um dia antes da capacitação para os gestores, professores e todos os servidores da escola tem uma finalidade, que é aguçar a curiosidade de todos que passam e se deparam com o material de divulgação, como banners, que são colocados em locais estratégicos da unidade de ensino, para que todos possam ver e parar para ler as histórias”, explicou Elizabete.

Os dias 23 e 24 serão destinados ao repasse das informações ao alunado, e são os próprios professores que vão trabalhar livremente a temática, utilizando a didática que entenderem ser melhor para a compreensão dos estudantes.

“No último dia do evento, sexta-feira, 25, realizaremos uma roda de conversa com a presença de diversas autoridades que fazem parte da rede de enfrentamento. É uma grande oportunidade para os funcionários da escola e para os estudantes conhecerem como funciona a rede, para que na hora de uma eventual necessidade saibam como lidar e a quem recorrer para auxiliar a vítima da melhor forma possível”, esclareceu Elizabete.

Marilena Freitas

SupCom ALERR