Diante das reclamações formalizadas por consumidores no Procon Assembleia sobre os preços cobrados pelos combustíveis em postos de Roraima, a instituição procurou o Sindpostos (Sindicato de Postos de Combustíveis de Roraima), para buscar esclarecimentos sobre a conduta das empresas no Estado.

O diretor do Procon Assembleia, Jhonatan Rodrigues, apresentou os questionamentos da população, bem como registros fotográficos de diversas placas e as respectivas cobranças feita no dinheiro e cartões de crédito e débito. Por isso, informou que na próxima semana o serviço de defesa do consumidor da Assembleia Legislativa fará levantamento de preços em postos de toda a cidade.

As denúncias serão formalizadas ao sindicato. “Temos a possibilidade de olhar na tabela da ANP [Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis] para fazer uma comparação de valores”, explicou o diretor. O levantamento de preços será disponibilizado ao consumidor, que terá mais opções sobre onde economizar na hora do abastecimento.

Na reunião, Jhonatan Rodrigues perguntou sobre a formulação de preços e como isso é repassado ao cliente. O vice-presidente do Sindpostos, João Victor Kotinski, falou que a composição é formada pela compra dos combustíveis na distribuidora, o frete, os impostos. “Eu costumo dizer que às vezes tem consumidor que abastece no posto a R$4,18 e acha que o posto está ganhando R$4,18, mas não é, tem muito imposto embutido, tem um preço de combustível que é pago a distribuidora, tem frete, tem custo de venda, operacional”, explicou.

O vice-presidente do Sindpostos esclarece que toda cobrança é feita com base na tabela disponibilizada no site da ANP (www.anp.gov.br), disponibilizada semanalmente pela Agência. Nela é possível, ainda, consultar os preços de outros estados e municípios. “E ter a certeza que a gasolina daqui é uma das mais baratas do Brasil mesmo com todas as dificuldades que nós temos.”

Texto: Yasmin Guedes

Foto: H. Emiliano

SupCom ALE-RR