Para acolher crianças e adolescentes com autismo, os profissionais do programa Abrindo Caminhos passaram por uma capacitação na manhã de sexta-feira (14), para trabalhar a inclusão social em sala de aula. No ano passado, a instituição atendeu 12 alunos com esse diagnóstico e neste ano, a expectativa é que seja criado um serviço específico para este público.

A psicóloga do programa Abrindo Caminhos, Camila Sales, conduziu a capacitação. Ela esclareceu o que é o autismo e ensinou a terapia ABA (Análise do Comportamento Aplicada), para que os profissionais saibam adaptar o ensino conforme a necessidade da criança nas atividades oferecidas pela instituição.

 “A inclusão é realmente feita quando a gente coloca a criança na atividade, mas não é que ela tem que se adaptar à atividade, a gente que se adapta, para que ela aprenda melhor, para que o aluno se beneficie nas aulas do Abrindo Caminhos”, orientou.

A pessoa com transtorno do espectro autista (TEA) apresenta dificuldades para se comunicar e interagir, além de interesses obsessivos e comportamentos repetitivos. Segundo a profissional, os aspectos variam em cada pessoa.

Para o professor de jazz, Well Souza, esses ensinamentos vão ajudar ainda mais nas aulas de dança, pois no ano passado ele acompanhou três crianças com autismo. O profissional relembra que o primeiro contato com os alunos exigiu um trabalho de paciência, porém os resultados foram positivos. “Cada criança com autismo possui um comportamento diferente. Eu tenho que adequar a dança ao tempo deles também, e nunca separar, mas sempre mantê-los com as outras crianças.”

A diretora da instituição, Viviane Lima, explica que desde 2018 foram chegando alunos com autismo no programa, e neste ano a demanda pode crescer, por isso surgiu a iniciativa de realizar uma capacitação com os servidores, para promover a inclusão social.

“Hoje foi o primeiro encontro, abordando a base. É de extrema importância a participação dos servidores do programa Abrindo Caminhos, desde a equipe da copa, administração até aos instrutores para que conheçam um pouco mais sobre autismo.”

Neste ano, o Abrindo Caminhos ganhará uma nova sede, e uma das propostas do Poder Legislativo é implantar um espaço com atividades para pessoas com autismo. Para repassar essas informações, em 2019, a psicóloga participou de um curso à distância sobre terapia ABA para autismo e no Seminário de Conscientização e Elaboração de Políticas Públicas para Pessoas com Autismo, promovido pela Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência, na Câmara dos Deputados.

Texto: Vanessa Brito

Foto: H. Emiliano

SupCom ALE-RR