Pular para o conteúdo

69 GRADUADOS ‘Recompensa’, diz professor de judô sobre troca de faixa de alunos do Centro de Convivência

Sessenta e nove alunos do Centro de Convivência da Juventude da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR) foram graduados na noite desta sexta-feira (25). Na cerimônia, os atletas trocaram de faixa e foram certificados pelo novo grau.

De acordo com o professor da modalidade, o faixa marrom Adriano Silva, a graduação é resultado dos trabalhos desenvolvidos ao longo do ano e do desempenho dos atletas no judô.

“Para essa graduação, é necessário o ano todo de ensinamentos com os atletas. Quando chega esse momento, eles se sentem muito felizes porque é o resultado dos treinos e a recompensa é a troca de faixa”, explicou o professor.

 

 

Para o pequeno judoca Emanuel Hideki Almeida, de 9 anos, o momento de trocar a faixa branca pela amarela foi simbólico.

“Isso representa muito para mim. É mais do que um troféu, é mais do que uma medalha. O judoca não vem pelas medalhas, nem pelas graduações, e sim pelo seu coração”, disse Emanuel.

 

 

 

Para a mãe de Emanuel, a atleta de jiu-jitsu e judô Ágatha de Almeida, acompanhar a evolução do filho é motivo de orgulho.

“Ele era uma criança tímida, hoje ele é ativo e comunicativo. O judô também faz parte da nossa cultura porque uma parte da família tem descendência japonesa e ele se orgulha muito disso”, afirmou Ágatha.

 

 

 

Outro graduado na noite foi o judoca Nicolas Lopes, de 7 anos. Ele deixou de ser faixa branca para se tornar cinza, e afirma que o objetivo é alcançar a sonhada faixa preta.

“No futuro posso ser um monte de coisa, posso ser professor daqui [do Centro de Convivência]. Mas pra isso, tenho que treinar muito mesmo, até ir para faixa preta. Pode demorar uns 10 anos, mas vou conseguir”, disse Nicolas, animado.

 

 

A mãe de Nicolas, a analista técnica Glicéria Lopes, conta que o esporte faz a diferença não só na vida do filho, mas de muitas crianças da comunidade.

“As aulas do Centro de Convivência são uma forma de colocar a criança para se desenvolver, não ficar ociosa em casa e ainda praticar uma atividade física e socializar. As artes marciais também trazem muita disciplina, então eu acho muito importante”, destacou Glicéria.

 

 

Segundo a diretora do Centro de Convivência, Beatriz Vasconcelos, influenciar positivamente na vida de crianças e adolescentes é o papel da instituição.

“Sabemos que o esporte traz muitos benefícios para as crianças e adolescentes, não somente físico, como o desenvolvimento psicológico. Aqui eles estão convivendo com outras crianças, é um momento de descontração, aprendizagem e interação. E isso fortalece o crescimento dos nossos alunos”, ressaltou Beatriz Vasconcelos.

 

 

Centro de Convivência da Juventude

O Centro de Convivência da Juventude faz parte da Superintendência de Programas Especiais, criado pela resolução legislativa nº 026/2021 da ALE-RR. A proposta é atender crianças, jovens e adultos, com atividades de cultura, lazer, música, esporte, inclusão digital e qualificação profissional, além de ações sociais e comunitárias de empreendedorismo, formação política e prevenção contra o uso de drogas ilícitas.

A sede do Centro funciona na Superintendência de Programas Especiais, localizada na avenida Ataíde Teive, 1.370, bairro Buritis.

Além da sede, o programa tem quatro polos na capital: Escolegis – Avenida Venezuela, nº 1645, bairro Liberdade; Escolegis Pintolândia – Avenida Sólon Rodrigues Pessoa, nº 1313, bairro Santa Luzia; Arena Futebol do Asa Branca – Travessa Valter Carneiro, nº 35, Asa Branca; e polo do bairro Pedra Pintada, na avenida Diamante, número 1227.

A unidade do Poder Legislativo também oferta atividades no interior:  em Caroebe, na BR-210, sem número, Centro; em Mucajaí, na avenida Padre Ricardo Silvestre, número 460, Centro. Mais informações podem ser obtidas pelo Call Center (95) 3198-1600.

Texto: Juliana Dama

Fotos: Marley Lima

SupCom ALE-RR

Compartilhar
banner assembleia 120x600 ou 160x600

Arquivos

banner assembleia 120x240
banner assembleia 125x125

0