Pular para o conteúdo

JANEIRO BRANCO
Psicóloga da Assembleia Legislativa recomenda bons hábitos para manter equilíbrio mental

O Janeiro Branco é um mês de alerta para se manter a saúde mental. Mas como cultivá-la, independentemente dos problemas que surgem no dia a dia? Os hábitos diários auxiliam na construção de uma vida para encontrar o equilíbrio da mente, mesmo diante de situações adversas, como ensina Gabriela Nogueira, psicóloga do Núcleo de Saúde da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR).

Ela recomenda atividades que influenciam o cotidiano, como a prática de exercícios físicos, alimentação saudável e equilibrada, aliadas à necessidade de “puxar o freio de mão” e desacelerar.

“É preciso reservar tempo para descanso e momentos de lazer, além de buscar o autoconhecimento por meio da psicoterapia. Essas atitudes ajudam a manter uma vida equilibrada”, explicou.

Fazer o que se gosta é uma boa maneira de aliviar os sintomas do estresse. Filmes e livros, ressalta Gabriela, são ótimos para manter a vida mais leve, principalmente quando estimulam a reflexão e a calmaria.

“Os filmes e livros podem ser considerados um momento de lazer. Eles podem ajudar na redução dos níveis de estresse, estimulação da criatividade, potencialização da memória e a melhorar o humor e o desenvolvimento de senso crítico”, aconselhou.

Ainda de acordo com a psicóloga, é importante escolher o que será consumido, pois alguns conteúdos podem causar gatilhos emocionais negativos. “Mas isso vai depender da história de vida de cada indivíduo”, ressaltou.

Ela recomenda ficar atento ao filme ou livro escolhido. “Ao se deparar com algo que desperta emoções negativas, pode ser a hora de você mudar o filme e a leitura. Analise se vai afetar a sua saúde mental ou não”, orientou.

Gabriela citou três filmes que abordam temas sobre cuidados com a saúde emocional. “Não tenho como recomendar um que vá causar bem-estar na pessoa, afinal isso é muito relativo e individual. O que me satisfaz, pode fazer o inverso em você, por exemplo”.

 

Os filmes indicados têm classificação infantil e podem ser assistidos por toda a família. Confira a lista:

Divertida Mente (Classificação: Livre – 2015) – O filme conta a história de Riley, uma garota divertida de 11 anos de idade, que deve enfrentar mudanças importantes na vida quando seus pais decidem deixar a cidade natal, no estado de Minnesota, para viver em São Francisco. Dentro do cérebro de Riley, convivem várias emoções diferentes, como a Alegria, o Medo, a Raiva, o Nojinho e a Tristeza. A líder deles é Alegria, que se esforça bastante para fazer com que a vida de Riley seja sempre feliz. Entretanto, uma confusão na sala de controle faz com que ela e Tristeza sejam expelidas do local. Agora, elas precisam percorrer as várias ilhas existentes nos pensamentos de Riley para que possam retornar à sala de controle. Mas enquanto isto não acontece, a vida da garota muda radicalmente.

Extraordinário (Classificação: 10 anos – 2017) – O filme conta a história de Auggie Pullman, um garoto que nasceu com uma deformação facial, o que fez com que passasse por 27 cirurgias plásticas. Aos 10 anos, pela primeira vez ele frequentará uma escola regular, como qualquer outra criança. Lá, precisa lidar com a sensação constante de ser sempre observado e avaliado por todos à sua volta.

O Bom Dinossauro (Classificação: Livre – 2015) – Os dinossauros foram extintos após a colisão de um gigantesco asteroide com o planeta Terra. E se este evento não tivesse ocorrido? O filme parte desta premissa para trazer a história de dinossauros que ainda hoje controlam o planeta. E mostra a amizade de Arlo, um dinossauro adolescente, com um jovem menino humano, Spot.

Núcleo de Saúde da ALE-RR 

O Núcleo de Saúde da Assembleia Legislativa de Roraima tem realizado um trabalho com os servidores da Casa, cuja finalidade é ajudá-los a ultrapassar barreiras que podem influenciar no estresse diário.

As estatísticas do setor mostram que em 2021 houve 1.005 atendimentos, dos quais 393 foram feitos pela psicóloga. “Qualquer servidor que precisar, pode entrar em contato com o setor por ligação ou Whats, das 7h30 às 18h, para agendar”, disse Elissandra da Silva, chefe do Núcleo de Saúde, ao ressaltar que a procura contínua sendo significativa.

Os atendimentos ocorrem das 8h às 17h e o agendamento pode ser feito por meio do número (95) 98402-4653.

Leis estaduais auxiliam na manutenção e tratamento da saúde mental 

O Parlamento estadual tem trabalhado na aprovação de leis que promovem campanhas em prol da saúde mental. De autoria da deputada Angela Águida Portella (PP), a Lei nº 1.220/17 institui o Janeiro Branco, que faz parte do calendário oficial do Estado desde 2017, cuja finalidade é promover campanhas e debates sobre o assunto.

Em 2016, foi sancionada a Lei nº 1.065/16, que incluiu no calendário oficial do Estado a “Semana de Valorização da Vida e Prevenção ao Suicídio”, proposta pelo deputado Evangelista Siqueira (PT).

Para evitar subnotificações e saber a realidade dos dados relativos a suicídio, a Lei nº 1.364/19, da deputada Yonny Pedroso (SD), obriga a Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) a notificar também os casos de tentativa de suicídio e automutilação.

Faz parte deste conjunto a Lei nº 1.324/19, do deputado Neto Loureiro (MDB), que cria a política de diagnóstico e tratamento da doença na rede pública de saúde, tornando acessível o tratamento terapêutico e medicamentoso àqueles que sofrem de depressão.

Outra norma que também vai ao encontro das políticas públicas de prevenção é a Lei 1.441/20, do deputado Evangelista Siqueira, que estabeleceu a contratação emergencial temporária de psiquiatras, psicólogos, assistentes sociais e terapeutas ocupacionais pela Sesau, para atender as vítimas de depressão e tendências suicidas em decorrência da covid-19.

Ainda em 2021, entrou em vigor a Lei nº 1.410/20, proposta pelo deputado Jalser Renier (SD), que autoriza o Executivo a criar um portal online para comunicação entre profissionais de saúde mental e pessoas que sofrem de ansiedade, pânico, depressão e doenças semelhantes em decorrência do isolamento social.

Texto: Marilena Freitas

Foto: Marley Lima / Tiago Orihuela / designer ALERR

SupCom ALE-RR

Compartilhar

Notícias Relacionadas

Arquivos

0