O deputado Marcelo Cabral, disse que se empenhará para resolver a situação das vicinais.

Os deputados que participaram da sessão ordinária da Assembleia Legislativa de Roraima (ALERR), realizada nesta quinta-feira, 31, em Rorainópolis, avaliaram o evento como positivo, uma vez que quando se aproxima mais do povo, mais fácil se torna para entender as demandas.

O deputado Chico Mozart (PRP) disse que essa foi uma oportunidade ímpar para se aproximar dos munícipes de Rorainópolis e levar os serviços oferecidos pela Assembleia. “Todos os serviços que existem na Capital foram trazidos para o município de Rorainópolis, o que é motivo de muito orgulho para nós que estamos aqui ao lado dessas pessoas. Quero aproveitar para agradecer a estrutura que o prefeito e vice-prefeito cedeu e parabenizar toda a equipe da Assembleia Legislativa, do Procon, Chame, da Escola do Legislativo e do programa Abrindo Caminhos, por trazer esses serviços tão importantes para a população”, disse.

No entendimento do deputado Diego Coelho (PTC) é importante essa aproximação com o público. “Quero parabenizar a iniciativa do deputado Jalser Renier por fazer essa sessão. Estou no meu segundo mandato, quase sete anos, e é a primeira vez que participo de uma sessão. Acho que isso é muito importante para o nosso Estado e para todo mundo saber o que a gente faz e qual o dever do deputado estadual, que entre tantas atribuições tem que abrir espaço para o público falar das suas necessidades”, comentou.

O deputado Coronel Chagas (PRTB) aproveitou o momento para falar sobre as demandas que beneficiarão o Estado e principalmente os moradores do Baixo Rio Branco. “Estivemos recentemente com o presidente da Funai (Fundação Nacional do Índio), Franklinberg Ribeiro de Freitas, para tratar da obra do Linhão de Tucuruí que ligará Roraima ao sistema elétrico nacional. E nos dias 26 e 27 de setembro o presidente da Funai estará com os índios Waimiri-Atroari para discutir o consentimento da comunidade indígena para a liberação dessa obra. Ele também vai pedir autorização da comunidade para criar uma reserva extrativista na região do Baixo Rio Branco, no rio Jauperi, para que as comunidades de Itaquera, Xixuaua e Samauma possam transitar livremente, onde atualmente tem uma corrente no rio”, informou.

A deputada Lenir Rodrigues (PPS) falou sobre o potencial da região e anunciou novidades na área de política pública para as mulheres do município. “Rorainópolis é um município promissor e dizem que as mulheres mais bonitas do Estado estão aqui. Como trabalho com políticas públicas voltadas para a proteção e defesa da mulher, o serviço do Chame (Centro Humanitário de Apoio à Mulher) em breve será implantado aqui junto com os demais serviços oferecidos pela Assembleia Legislativa”, anunciou.

O deputado Jorge Everton (PMDB), ao ouvir as demandas da população, fez questão de esclarecer que o município sofre com pequenos problemas não por falta de dinheiro, mas de gestão por parte do Governo do Estado. Ele ressaltou que dinheiro tem e lembrou os desvios constatados pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Sistema Prisional.

“O que venho denunciando constantemente é que esse Governo traz empresas de fora e tira o emprego da população do nosso Estado. O governo diz que não tem dinheiro para a agricultura porque o orçamento é pequeno. O orçamento, minha gente, é de R$, 3,6 bilhões por ano e só aumenta a cada ano. Mas se não tem dinheiro, onde foi parar os mais de R$ 20 milhões desviados da alimentação do sistema prisional, fato constatado pela CPI do Sistema Prisional?”, questionou ao deixar essa reflexão para os rorainopolienses.

O deputado Marcelo Cabral (PMDB), que bem conhece o homem do campo por ser oriundo do interior do Estado, disse que se empenhará para resolver a situação das vicinais. “Quero avisar para cada morador das 75 vicinais de Rorainópolis que estão intrafegáveis, que tentarei fazer o possível para ajudar vocês, resolvendo a situação das vicinais. Quero dizer sobre o meu compromisso com o povo do interior, porque vim do interior e sei das dificuldades enfrentadas. No interior o homem não quer dinheiro, mas a condição como estrada, energia, e a liberação das licenças ambientais”, frisou Cabral.

O deputado Brito Bezerra (PP), líder do governo na Assembleia, disse que é preciso muito mais que R$ 70 milhões para investir na agricultura familiar. “Precisamos tirar esse dinheiro de algum lugar para construir uma oportunidade. Eu não sei de onde tirar, mas todos nós, através das indicações e de um grande consenso, inclusive com os Poderes constituídos, poderemos encontrar o caminho e priorizar a agricultura, que é a chave do desenvolvimento do nosso Estado”, finalizou.

 

Por Marilena Freitas

SupCom/ALE-RR