Hoje, dia 23, é o Dia Nacional da Educação de Surdos, data criada para sensibilizar a sociedade sobre o direito desta comunidade de ensinar e aprender. Foi com essa preocupação que o Poder Legislativo passou a ofertar aulas gratuitas de Libras (Língua Brasileira de Sinais), por meio da Escola do Legislativo Cursos Preparatórios. Mais de 600 alunos passaram por uma das turmas, e boa parte deste público é formado por profissionais da educação, que viram no curso a oportunidade de melhorar a interação entre surdos e ouvintes no ambiente escolar.

Leilane Abreu é pedagoga há 19 anos, e fez curso básico e intermediário de Libras na intenção de se preparar para receber alunos com surdez, pois tem interesse em trabalhar especificamente com esses alunos. “Hoje, trabalho com um aluno que está aguardando laudo para confirmar o grau de surdez, mas a comunicação com ele já é gestual. Me surpreendi com a qualidade dos cursos que a Escola do Legislativo oferece”.

Leilane destacou que a comunicação é fundamental para que aconteça a interação entre surdos e ouvintes. “Aprender Libras é uma necessidade para os dias atuais e a Escola do Legislativo me deu a oportunidade de ampliar ainda mais meus conhecimentos”.

Quem também é profissional da educação é Geane Souza, que leciona há cerca de três anos. Ela trabalhou no programa “Mais Alfabetização”, do Governo Federal, pelo qual teve seu primeiro contato com uma aluna de seis anos, surda que não se comunicava nem por meio de Libras. A professora conta que teve dificuldades e daí em diante sentiu necessidade de buscar mais conhecimento na língua de sinais.

Ao receber indicação de uma amiga do curso de Libras ofertado na Escola do Legislativo, Geane viu a oportunidade de melhorar sua comunicação e como educadora, ampliou seu currículo. “O curso da Escola do Legislativo foi uma salvação, me ajudou muito pois não tinha como pagar, me ajudou muito mesmo”. Recentemente ela foi aprovada em um concurso público para o cargo de professora no município de Amajari, após fazer o preparatório para concursos da Escola do Legislativo, e se for necessário, pretende colocar em prática o conhecimento adquirido.

A professora de Libras da Escola do Legislativo, Cláudia Borges, já ministrou aulas para seis turmas com alunos de diversos setores, como professores, enfermeiros, jovens, agentes de saúde e pessoas que tem surdos em casa. “Libras veio para inserir o surdo na sociedade, facilitar a comunicação que é essencial na comunidade”. Ela enfatizou ainda que os cursos de Libras e Educação Especial incentivam a inclusão, e também ajudam a ter mais profissionais qualificados no mercado de trabalho, pois a valorização do interprete de Libras vem crescendo.

Texto: Mayara Padilha

Foto: Arquivo

SupCom ALE-RR